São aproximadamente sete da tarde

por Raquel Gil Carvalheira, investigadora pós-doc no CRIA-NOVA FCSH


São aproximadamente sete da tarde. Ouço a campainha. Do lado de lá, alguém diz: “É a Guida!” (uso pseudónimos). Abro a porta e afasto-me: “A Lurdes recebeu hoje uma encomenda do correio para si”. “Mas eu não ouvi o carteiro tocar à campainha!” apresso-me a dizer, dando sinais de que estou a fazer como toda a gente. E adianto: “Passei o dia todo eu casa!” “Pois”, diz-me a Guida, “ele também não tocou à minha campainha, mas a Lurdes recebeu a sua encomenda. Eu fui agora deitar o lixo à rua e ela pediu-me para a trazer para cima”. A Guida é a minha vizinha do lado. Terá aproximadamente setenta anos, vive sozinha. Desde que começou o confinamento já não visita o cunhado que se encontra, desde o falecimento da sua irmã, num lar para idosos. Mas leva-lhe o jornal e umas bananas, de que ele gosta muito, e que entrega à funcionária que está à entrada. A Lurdes, com os oitenta e seis anos feitos já em época de COVID, é a vizinha do rés-do-chão, a primeira residente do prédio onde vivo, no centro de Lisboa, numa zona residencial que aparenta ser habitada por gente mais velha, apesar de, actualmente, ser muito procurada por jovens que não conseguem viver noutros sítios da cidade. Leia mais

Os meus vizinhos são humanos como eu e cantam sempre às 22h

por Nuno Lopes, licenciado em Sociologia (Universidade do Minho)

Nunca tinha reparado muito bem na vista da minha janela. Não tem nada de especial para ver, são só algumas torres residenciais e uma via rápida (sobre)movimentada que me afeta os sentidos da pior maneira possível. Acordo e deito-me com o barulho dos carros que passam e, em tentativas frustradas de me abstrair, já tentei imaginar os constantes “vvvrrsshhhh” como se fosse o barulho das ondas do mar a bater no areal. Não resulta. Isto é, de certo, um esquema armado pelo meu senhorio, com o apoio do Automóvel Clube de Portugal, que não troca a porra das velhas janelas por umas insonorizadas com a finalidade de me expulsarem daqui e arrendar este T1 ao preço de uma vivenda. Enfim, só pelas 23h é que consigo ouvir outros barulhos, como o vizinho de cima a tratar de satisfazer as necessidades básicas ou o vizinho do lado a falar e a bater com garrafas. Na minha cabeça ele está sempre a falar sentado num banco da cozinha, enquanto emborca uma cerveja. Leia mais