Apresentação

 

 

 

 

CONFINARIA – Etnografias em Tempos de Pandemia é uma proposta de Comunicação de Ciência do CRIA que consiste num blogue coletivo onde se partilham reflexões e experiências sobre os tempos vividos em contexto de pandemia causada pelo COVID-19, e que servirão para memória futura e apreciação retrospectiva destes tempos excecionais.

Estes são tempos diferentes; quotidianos alterados e renovados; vidas, de certo modo, suspensas no medo, no receio de um vírus que se tornou pandémico e que fez alterar a ordem social, as relações pessoais, as formas mais regulares de comunicação e interacção – do trabalho, à família, passando pelos grupos de amigos ou outros colectivos dos quais vamos fazendo parte. 

Há muito que Donna Haraway (e outros como Eben Kirksey, Stefan Helmreich ou Anna Tsing) sugeriram alargarmos o escopo dos outros bióticos com os quais nos temos que relacionar quando fazemos etnografia – no âmbito das ‘suas’ etnografias multiespécie. Falaram da vida social das bactérias e fungos (como seres vivos que são) e hoje temos um vírus que literalmente precisa de nós e de outros seres vivos para poder ser. E todas as vidas parecem depender dele!

Somos ou estamos diferentes desde dia 16 de Março de 2020. Estamos? Somos? E como reagimos ao medo e às restrições impostas? Como nos comportamos tendo em conta os avisos médico-cientítificos, político-sociais? Como lidamos agora com os nossos filhos, companheiras, irmãos, vizinhos, amigos, os comerciantes das ruas onde vivemos? Como estamos com os mais velhos? Que cuidados temos com a roupa, a lavagem das mãos e outras soluções de etiquetagem da saúde que agora somos levados a considerar? Estamos mais atentos – no duplo sentido da palavra? Cuidamos mais e melhor? Como lidamos, então, com este confinamento, ‘estes dias aparentemente sempre iguais’? A partir de uma etnografia das ruas, das zonas residenciais, das casas, das vidas, pretende-se criar um diário de um tempo excecional. De um tempo outro que nos faz inevitavelmente outros.

Os registos podem ser vários: impressivos, refletidos, teorizados, ou mais artísticos, tentando dar conta de uma antropologia do imediato, de uma etnografia da urgência. Importa o que nos afeta e o que afeta aqueles que temos a possibilidade de ir acompanhado, vendo, escutando, sentindo. São terrenos novos, diferentes em virtude de limitações (auto) impostas. Abrimos a porta de nossas casas (e incluímo-nos nas nossas novas respostas), e vamos às ruas e aos espaços que nos é permitido frequentar. Olhamos por nós e vemos os que nos rodeiam – seguramente produzindo registos que darão azo no futuro e retrospectivamente a uma apreciação mais completa, complexa (porque feita de múltiplas perspectivas) e necessariamente plural destes dias.

30 de março de 2020.


Saiba como colaborar aqui.


CONFINARIAS – continuando

Seguimos confinados, desconfinando e desconfiando paulatinamente. Os tempos permanecem incertos e equívocos, marcados pelas dúvidas e pelas ambiguidades próprias dos ‘denominados’ problemas complexos. Não há resposta certas, seguras, capazes de nos tranquilizar. O período do confinamento mais determinado – o Estado de Emergência em Portugal com outros nomes noutros lugares – deu-nos motivos de reflexão, de questionamento, de apoquentação e inquietação. Entre as teorias da conspiração e um (in)devir impróprio porque incerto, novo, enigmático, vimos que as vidas pessoais, individuais, colectivas, familiares, profissionais se transformaram. Tempo de ‘cólera’, lutos forçados, violências (in)esperadas, e os ‘bravos do pelotão do capitalismo’ já prontos para o que der e vier. Do muito tempo disponível ao sem tempo para ‘nada’ não foi tempo nenhum. Trabalhamos mais (tantos), tantos e mais tantos sem trabalho. E só agora começou! Ou será que só agora vai começar?

A urgência e a importância da escrita e do registo etnográfico mantêm-se exactamente iguais, na mesma medida. O convite que lançámos no final de março é, porventura, mais crítico hoje, passados dois meses desse início de uma (a)normalidade. E quando se fala de um novo normal porque não falar de uma anormalidade que possa quebrar com tantas ‘normalidades’ que nos trouxeram aqui. Remetemos para a reflexão de Ignacio Ramonet[1] para o seu convite a pensarmos num futuro outro. Um futuro que não se olvide deste presente estranho, desse passado responsável e deste gerúndio existencial que conjugamos diariamente. É desses que queremos continuar a ler. Não só porque a antropologia precisa, mas porque o Mundo tem que conhecer estas histórias simultaneamente tão micro e específicas, mas igualmente tão ricas e cheias de matéria para reflectir.

Fica o convite. Continuem atentos, vigilantes, à escuta, prestando a atenção ao que acontece e ao que está por vir. E escrevam, partilhem.

20 de maio de 2020.

 

 

UIDB/04038/2020