Estado de emergência e estado de calma(idade)

por Magda Ferreira


A minha história, igual a tantas outras, trouxe-me ao ser par* (e nunca mais ímpar), por ser marginal e divergente.

No presente recente, no seu ciclo secular, a Mãe Natureza trouxe um novo e forte vírus, que parou o mundo. Eu observei o que penso que todos sentiram, o nunca pode acontecer sem aviso. E a todos traz algo para melhorarmos, para recuperarmos o nosso ritmo natural, sentindo-nos tão vulneráveis ao mesmo tempo.

Somos o que pensamos? Apenas ser. Nunca me senti tão marginal e ao mesmo tempo tão livre, pois como utilizadora de drogas, éramos os únicos na rua, quebrando todas as recomendações e imposições. Leia mais

A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades! Leia mais