A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades! Leia mais

TEMPO

por Sara Silva, Licenciatura em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa


Dia X da quarentena. Já não sei a quantos vamos. Mais vale contar quantos faltam do que quantos passaram, dizem que o tempo passa mais rápido assim. A verdade é que não sabemos, ninguém sabe realmente. É díficil lidar com a incerteza, se tivessemos uma data no calendário para marcar seria tudo mais fácil. Para alguém como eu que não pode fazer nada, só esperar é lidar com os minutos e as horas. Tentar que sejam produtivos. O ser-humano precisa de um objectivo, de se sentir útil, de ter algo porque esperar. Especialmente para quem é ateu, o momento e as acções precisam de contar. Hoje falei com a minha avó, tem 86 anos, e pensei nisto. Está com medo de nunca mais poder ver isto os netos, pois todos os dias contam e a normalidade está longe de voltar. Leia mais

NOVAS “FRONTEIRAS”

por Maria Abranches, Lecturer in Social Anthropology, University of East Anglia (Norwich, Reino Unido)


São 12 casas. Em cada uma mora entre uma e cinco pessoas, e vários cães, gatos e galinhas. Moro na casa do meio há quase cinco anos. Para além das nossas vidas, nunca aconteceu muito por aqui – um lugar que não é de passagem, porque aqui acaba. Daqui saía-se para a vila ou a cidade mais próximas (de carro, bicicleta, ou caminhada de 4 quilómetros), ou aqui se chegava depois de um dia preenchido pela rotina habitual. Agora, em tempo de confinamento, fazemos das nossas 12 casas o nosso espaço. Leia mais