NA FILA DO SUPERMERCADO

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Neste nosso quotidiano alterado, uma ida ao supermercado ganhou, subitamente, um novo significado. Pretexto para deixar, por momentos, a clausura a que a pandemia nos obriga, é também uma oportunidade para espreitar os estados de alma, sobretudo aqueles de que os noticiários não dão conta. Entre a fila para entrar e a espera na caixa, passando pela demora da peixaria, há tempo para registar inconfidências e desabafos. Não garanto que a transcrição seja absolutamente exata, mas foi isto que ouvi. Leia mais

ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (27) – na fila de espera… ou ‘a loucura da normalidade’

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Somos doze, doze pessoas em fila de espera para entrar na mercearia do Sr. João e da dona Fátima. Doze pessoas em suspenso, sem se falarem, distanciadas entre si cerca de metro e meio. Parece que nos olhamos desconfiados. Somos estranhos de e a nós mesmos, perdidos nas limitações que nos impõem os especialistas de saúde. Sacos debaixo do braço, três pessoas com máscara – cada qual de seu feitio. Também tenho a minha; utilizei ontem pela primeira vez e só a pretendo levar quando for a supermercados; na verdade, só vou a supermercados agora; bom, uma ou outra vez a um posto de abastecimento de gasolina, ao multibanco, ao talho. Leia mais