A MINHA CIDADE

por Helena Camacho (texto), professora do 1º ciclo do ensino básico, Madeira


Ontem fui matar saudades da parte mais baixa da minha cidade.
Há quarenta e um dias que não ia cheirar o mar.
E lá fui pela rua João de Deus. Tudo deserto. A Francisco Franco, esta morta. No Campo da Barca, virei em direção ao mercado. Dirigi-me para a Rua de Santa Maria e acelerei o passo em direção à Barreirinha. A calçada de calhau rolado dá outra textura ao andar. Tinha saudades! Leia mais

O triste som da vida “normal”

por Kátia Favilla, doutoranda em Antropologia, ICS-ULisboa


Primeiro era o som. A vida corria com os dias, o despertar ao som de pássaros, a rua que acordava aos poucos, pessoas correndo, andando, os carros, motos. Em um suspiro, a respiração quase faltou, o silêncio, o medo. Leia mais

ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (2) – Deixei de ouvir os aviões

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Hoje foi mais um dia igual aos outros. Já nem sei se é sábado, dia da semana, fim-de-semana… dias sempre iguais. Apesar de tudo, levantamos-nos cedo – 7h30.  Ontem anunciei – “amanhã, e uma vez que estará um dia de sol, vamos dar um passeio a pé”. Temos estado a acordar bem mais tarde do que seria o normal.  9h30, 10h00… mais cedo para quê? Para quem? Entrámos num certo vagar como aquele que experimentamos quando sabemos que nada temos ou podemos fazer. Um agridoce ‘fare niente’. Sábados, sem confinamento, são dias bem atarefados e logo desde muito cedo. Levar o André à escola de música para as aulas de piano, depois aula de natação. Entretanto, faço tempo com as compras no mercado e na mercearia. Ao Sábado compro sempre dois pães do Torrão – um pão de trigo malcozido que é uma delícia – na Riviera – uma charcutaria na Cova da Piedade que vende uns excelentes produtos alentejanos. Mas hoje não pode ser. Aliás, já não foi assim no Sábado passado. Despedi-me da senhora da charcutaria no dia 14 de Março com um ‘até ver’ que, na verdade, já anunciava um interregno mais longo do que o normal. Aliás, a proprietária disse-me na altura e numa formulação bem assertiva. “Decidam oficialmente ou não, para a semana encerro o estabelecimento… não se justifica estar aberto [menos clientes] e não vale a pena arriscar a saúde”. E assim fez. Leia mais