O triste som da vida “normal”

por Kátia Favilla, doutoranda em Antropologia, ICS-ULisboa


Primeiro era o som. A vida corria com os dias, o despertar ao som de pássaros, a rua que acordava aos poucos, pessoas correndo, andando, os carros, motos. Em um suspiro, a respiração quase faltou, o silêncio, o medo. Leia mais

Portas fechadas

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Os ricos ficam menos ricos e os pobres ficam mais pobres”, comenta banalmente um senhor de máscara no queixo para a colaborador de uma oficina no outro lado da rua. A verdade desta frase continua a ecoar na minha cabeça. Leia mais

Trocas em tempos de pandemia

por Micol Brazzabeni, PhD (Università di Firenze, Itália), investigadora sénior (CRIA-ISCTE)


Os dias seguem-se aparentemente iguais em tempos de “confinamento”.

As rotinas proporcionam alguma forma insólita de resistência.

Dentro da rotina, outras rotinas improvisam-se. Um colega e amigo desafia-me a fotografar, sem tema específico, todos os dias. Todos os dias, uma rotina para resistir, pensei eu. Uma “ideia para adiar o fim do mundo” (Krenak, 2019).

Leia mais

NA FILA DO SUPERMERCADO

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Neste nosso quotidiano alterado, uma ida ao supermercado ganhou, subitamente, um novo significado. Pretexto para deixar, por momentos, a clausura a que a pandemia nos obriga, é também uma oportunidade para espreitar os estados de alma, sobretudo aqueles de que os noticiários não dão conta. Entre a fila para entrar e a espera na caixa, passando pela demora da peixaria, há tempo para registar inconfidências e desabafos. Não garanto que a transcrição seja absolutamente exata, mas foi isto que ouvi. Leia mais

ALTOS E BAIXOS

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA-ISCTE e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Altos e baixos” respondem-me todos/as à pergunta “como estás?”. “Hoje é sexta-feira santa” relembro-me durante mais uma reunião em Skype num dia igual a todos os outros. A Primavera entra-me pela janela. Os ramos das árvores que ainda estavam despidos a 13 de Março agitam-se agora de pequenos brotos e de folhas verdes e viçosas. Os trabalhadores da Câmara Municipal do Porto aparam a relva e cortam os malmequeres que pintam o jardim à beira de minha casa. Era mesmo necessário? Os dias estão maiores. Os dias de chuva alternam-se com os dias de sol, mas o tempo está mais quente. O chilrear dos pássaros sobressai a todos os sons. Poucos são os sons urbanos. O silêncio é tranquilizador e perturbador. A ruas vazias transmitem acalmia e ansiedade. A estranheza nos olhos das pessoas com que me cruzo já não me é estranha. “Devo passar para o outro lado da rua?”. Nunca gostei de ir às compras, agora é o meu pequeno guilty pleasure. Sair de casa, conduzir, ver pessoas são agora atos de liberdade (ou de resistência?). Nunca cozinhei tanto na vida. A máquina de lavar a loiça não para. Aumentei o meu consumo de tabaco, álcool, chocolate… e da salada que me chega em cabazes à porta. O consumo de café abrandou.

Leia mais