Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

CONVERSA DE BOTAS BATIDAS

por Ana Eduarda Diehl, Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná


Até outro dia estávamos passando comida por baixo da porta,
mas o cansaço dos dias tão iguais nos torna torpes ou talvez mais
distraídos.

Não foi bem uma determinação de romper a quarentena,
simplesmente aconteceu, e foi na metade do caminho que caí em mim:
estávamos a caminho cemitério em meio a uma pandemia. Leia mais

Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19 Leia mais

A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país. Leia mais

A morte que vivemos: reflexões sobre a angústia em tempos de pandemia1.

por Pedro Barboza, doutorando em Ciências Sociais pelo Programa e Pós-Graduação em Ciências Sociais/UERJ


Um dos sintomas sociais mais destacados nos tempos da pandemia provocada pelo novo coronavírus é a sensação de não saber lidar com as rotinas que nos são impostas. Soma-se a isso uma série de outros sentimentos, descritos pelos indivíduos como “tristeza”, “angústia”, “irritabilidade”, “ansiedade” e afins. A despeito das definições diferentes que esses termos adquirem se observados por um critério médico ou psicológico, com o intuito de unificar o vocabulário, chamarei de “angústia” essa sensação compartilhada sobre as incertezas, dificuldades e tristezas que preenchem as vidas em tempos de pandemia. Esses temas surgem em conversas informais (e virtuais, evidentemente) com amigos e também são alvo da atenção de especialistas, sobretudo os da área da saúde. Ilustrando esse fato, utilizando a internet, podem ser encontrados inúmeros “manuais” ou “cartilhas” para lidar com o “medo”, “tristeza” e “angústia” nos tempos atuais.2 Leia mais

Verbete pandémico

por Francisco Freire, PhD em Antropologia (NOVA FCSH), investigador do CRIA-NOVA FCSH, PI do projeto ERC CAPSHARA


Contra a espectativa de alguns agoirentos animais, avançamos, sem rebuço (como nos diz o estado), para uma primavera de mera calamidade. As liberdades e garantias estão de volta! A constituição, apoiada pela distribuição de máscaras e viseiras, volta a reger os destinos de uma turba animada com a possibilidade de voltar ao posto de trabalho e de rapidamente se despir em calientes areais. Leia mais

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”

COVID-19: A Resposta de Natureza?

por Anderson Luis dos Santos, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Ao refletir sobre os benefícios causados pelo isolamento social no que diz respeito ao meio ambiente, percebo que foi declarado liberdade à natureza. O fato torna-se notório quando consideramos notícias como: “O Himalaia fica visível para Índia após quarentena contra o coronavírus derrubar poluição” (Folha de São Paulo, 09.04.2020); ou ainda, “Coronavírus: milhões de tartarugas bebê aproveitam confinamento humano para chegar ao mar” (BBC News Brasil, 14.05.2020). Ou seja, a natureza parece reagir de forma positiva à redução dos impactos ambientais promovidos pelo capitalismo e egocentrismo humano. Tais acontecimentos somente se tornaram possíveis graças ao pouco fluxo de pessoas nas ruas e espaços públicos, e da consequente diminuição da poluição. Continuar a ler “COVID-19: A Resposta de Natureza?”

Uma etnografia virtual com os Suruí-Aikewara em tempo de pandemia

por Donizete Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade da Beira Interior e Investigador do CRIA-NOVA FCSH


Com a ajuda financeira da FCT (Portugal) e da CAPES (Brasil) comecei a desenvolver o projeto “Estudo antropológico e sociológico de identidades e expressões religiosas na Amazônia”. Seguindo a metodologia clássica antropológica (observação-participante), entre 2017 e 2019, fiz etnografia com os Suruí-Aikewara, etnia que vive no Médio Tocantins, Estado do Pará, Brasil, nomeadamente nas aldeias Sororó (sede), Itahy e Yetá. Leia mais

UM OLHAR DO/PARA O QUILOMBO 

por Antonio Jeovane da Silva Ferreira, mestrando pelo Programa Associado de Pós-Graduação em Antropologia – Unilab/Universidade Federal do Ceará


Na tentativa de burlar as sensações estarrecedoras causadas pela pandemia do novo coronavírus e de certa forma criar meu próprio sentimento de normalidade frente aos já 41 dias de distanciamento social, decidi organizar em meu pequeno quarto um espaço para estudos – uma cadeira de madeira e uma mesinha emprestada pelo vizinho. Leia mais

Desenhando um pouco de lucidez

por Giulia Cavallo, PhD em Antropologia, investigadora no CRIA-ISCTE


Sou italiana, mas moro fora do meu país de origem há 15 anos. Toda a minha vida de adulta. Há alguns anos comecei a esquecer os nomes das ruas da minha cidade natal, Turim. Da política italiana, entendo cada vez menos. Leia mais

Pandemia, alteridade e autoetnografia

por Marina Ramos Neves de Castro, professora do programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, UFPA, Belém-Pará (Brasil)


Como cuidar de nossa saúde mental em tempos de pandemia? Como manter projetos, sustentar reflexões e engajamentos em tempos de pandemia? O que é uma pandemia para a construção das subjetividades e da  intersubjetividade? Daquilo que nos molda os pensamentos e os sentimentos e comandam, sub-repticiamente nossas ações? Leia mais