CONVERSA DE BOTAS BATIDAS

por Ana Eduarda Diehl, Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná


Até outro dia estávamos passando comida por baixo da porta,
mas o cansaço dos dias tão iguais nos torna torpes ou talvez mais
distraídos.

Não foi bem uma determinação de romper a quarentena,
simplesmente aconteceu, e foi na metade do caminho que caí em mim:
estávamos a caminho cemitério em meio a uma pandemia. Leia mais

A morte que vivemos: reflexões sobre a angústia em tempos de pandemia1.

por Pedro Barboza, doutorando em Ciências Sociais pelo Programa e Pós-Graduação em Ciências Sociais/UERJ


Um dos sintomas sociais mais destacados nos tempos da pandemia provocada pelo novo coronavírus é a sensação de não saber lidar com as rotinas que nos são impostas. Soma-se a isso uma série de outros sentimentos, descritos pelos indivíduos como “tristeza”, “angústia”, “irritabilidade”, “ansiedade” e afins. A despeito das definições diferentes que esses termos adquirem se observados por um critério médico ou psicológico, com o intuito de unificar o vocabulário, chamarei de “angústia” essa sensação compartilhada sobre as incertezas, dificuldades e tristezas que preenchem as vidas em tempos de pandemia. Esses temas surgem em conversas informais (e virtuais, evidentemente) com amigos e também são alvo da atenção de especialistas, sobretudo os da área da saúde. Ilustrando esse fato, utilizando a internet, podem ser encontrados inúmeros “manuais” ou “cartilhas” para lidar com o “medo”, “tristeza” e “angústia” nos tempos atuais.2 Leia mais

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”