#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

NOVAS JANELAS URBANAS?

por Epitacio Nunes de Souza Neto, Doutorado em Psicologia  pela Universidad del Salvador–USAL (Buenos Aires, Argentina), Professor de Psicologia na Faculdade de Integração do Sertão – FIS (Pernambuco, Brasil)


As janelas já não revelam cidades, apenas suas partes. Realidades sufocadas em paredes opressoras, enquadradas por molduras metálicas ou madeira velha, enubladas em vidraças sujas. A convivência contida, tal como as emoções diante de algo invisível e funesto. A suposta superioridade do homem, rotulada de racionalidade, está à prova em pleno século das tecnologias avançadas. Suas debilidades e fraquezas estão expostas em vazados de concreto que se acendem e apagam, revelando nuanças, tons, sutilezas e particularidades das vidas privadas, cotidianos antes sem importância ou valor. Como os semáforos, suas cores e luzes já não indicam movimentos. Estes foram cessados sem aviso prévio. Não se vai ou se vem. Não se corre mais porque não há pressa das cidades. Leia mais

PANDEMÓNIO

por Vasco Gil Calado, doutorado em Antropologia (ISCTE) e investigador no SICAD


Da minha janela veem-se bem os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Na verdade, medem-se melhor através do que já não consigo ver: as carrinhas que, ainda de madrugada, não vêm trazer os alunos ao Colégio Alemão, os aviões que a toda a hora não cruzam o Campo Grande, as filas de trânsito que à tarde não se formam na avenida e até as gaivotas que, indiferentes ao resultado, não vêm à minha rua nos dias a seguir aos jogos do Sporting. Os melros ainda por cá aparecem mas não se demoram, se calhar porque aparentemente nada se passa por estas bandas. O parque infantil está encerrado, assim como a escola de dança, a galeria ou a loja de candeeiros. Leia mais

VIRÓCULOS

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)

Virócular é o que se chama ao exercício de ver o vírus com binóculos. As almas cândidas acharão que com binóculos não se vê o vírus, mas isso é apenas porque as almas cândidas veem o mundo com candura. Que não o veja assim o etnógrafo. Reduzido à sua varanda debruçada sobre o mundo não deve dispensar os binóculos, pois se é certo que com eles não vê o vírus, ajudam a perceber o mais aterrador da crise pandémica. Leia mais