ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (28) – janela indiscreta

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


É lento o gesto. Cobre os olhos, mexe-se devagar. Está de roupão cinza claro, despenteada; apanha o sol que agora lhe proíbem lá fora. Falo de Maria, mulher dos seus oitenta anos. Nome que lhe imagino. Não a conheço. Já nela tinha reparado antes, sem, no entanto, lhe prestar a atenção que agora lhe dou. Parece incomodada, debruça-se sobre o parapeito do muro de sua varanda (no primeiro andar do prédio em frente ao meu). Parece que vai cair. Lá afasta um pombo que insiste em empoleirar-se no muro, e olha para baixo. Volta a sentar-se e cobre de novo o rosto, para evitar um sol incomodativo. Leia mais

JANELAS PARA DENTRO DE MIM

por Cristina Santinho (CRIA-ISCTE)


“As fotografias são um meio de tornar ´real` (ou `mais real´) questões que os privilegiados e aqueles que estão simplesmente em segurança possivelmente prefeririam ignorar”. Estas palavras, de Susan Sontag, adquirem especial sentido nestes tempos de confinamento. O tema que escolhi fotografar – as janelas da casa onde me encontro recolhida – constitui uma metáfora de um espaço simultaneamente doméstico e domesticado, acolhedor e protetor. Leia mais