EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Leia mais

Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19 Leia mais

A VIDA APÓS PANDEMIA DA COVID-19

por Mariane Dornelas de Araújo de Silva,  aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


Medo, insegurança, ansiedade, luto, essas palavras resumem a atual situação caótica de nosso cotidiano. O isolamento social diante da pandemia da COVID-19 tem impactado significativamente tanto o estado físico quanto o emocional e subjetivo do homem moderno. Momento de crise imprevisível no qual o distanciamento social tem provocado sofrimento psíquico, alterado nossas rotinas, interferido em nossas emoções. As incertezas do amanhã aumentam nosso descontrole emocional diante de uma doença tão grave, nos levando muitas vezes a negar nossa própria condição ou existência. Parece que vivenciamos uma paralização do presente, o esvaziamento do futuro e até mesmo o estranhamento de si.

Leia mais

AUTORREFLEXÃO E AUTOCONHECIMENTO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Fernanda da Silva Sena, aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


A COVID-19 se alastra de forma pandêmica e se revela como um dos maiores desafios da atualidade. Ameaça tudo o que amamos, veneramos e que dá significado a nossas vidas. O isolamento social não apenas nos obriga ao distanciamento físico, mas especialmente ao afastamento dos amigos, parentes próximos, dos espaços de socialização e lazer. Impõe-nos ainda longo tempo de solidão, forçando-nos a um processo de autorreflexão. Leia mais

TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor. Leia mais

Sabe aquela sensação de quase perto?

por Normando José Queiroz Viana, Professor adjunto da Faculdade de Psicologia – FAPSI,  Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA


Sabe aquela sensação de “quase perto”? Pronto. Esta é a nova experiência emocional que este tempo de pandemia tem me apresentado. Há poucos dias recebi a notícia que o pai de amigas muito queridas, que deixei em Recife, minha cidade natal, faleceu. Ao que tudo indica não se sabe ao certo, pois o resultado do exame saíra em alguns dias, devido às implicações do COVID-19.

Leia mais

ALTOS E BAIXOS

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA-ISCTE e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Altos e baixos” respondem-me todos/as à pergunta “como estás?”. “Hoje é sexta-feira santa” relembro-me durante mais uma reunião em Skype num dia igual a todos os outros. A Primavera entra-me pela janela. Os ramos das árvores que ainda estavam despidos a 13 de Março agitam-se agora de pequenos brotos e de folhas verdes e viçosas. Os trabalhadores da Câmara Municipal do Porto aparam a relva e cortam os malmequeres que pintam o jardim à beira de minha casa. Era mesmo necessário? Os dias estão maiores. Os dias de chuva alternam-se com os dias de sol, mas o tempo está mais quente. O chilrear dos pássaros sobressai a todos os sons. Poucos são os sons urbanos. O silêncio é tranquilizador e perturbador. A ruas vazias transmitem acalmia e ansiedade. A estranheza nos olhos das pessoas com que me cruzo já não me é estranha. “Devo passar para o outro lado da rua?”. Nunca gostei de ir às compras, agora é o meu pequeno guilty pleasure. Sair de casa, conduzir, ver pessoas são agora atos de liberdade (ou de resistência?). Nunca cozinhei tanto na vida. A máquina de lavar a loiça não para. Aumentei o meu consumo de tabaco, álcool, chocolate… e da salada que me chega em cabazes à porta. O consumo de café abrandou.

Leia mais