REINVENTANDO O FAZER. AFINAL, COMO ENXERGAR A VIDA PÓS PANDEMIA?

por Ranielly Dornelas de Araújo Paula, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Dormimos em um mundo e acordamos em outro completamente diferente do habitual. De repente abraços e beijos se tornaram armas e distanciar se tornou ato de amor.  A Disney não tem mais o mesmo encanto, magia, beleza, a muralha da China não é mais fortaleza e nosso Cristo redentor clama por todas as pessoas que foram e estão sendo reduzidas a números de óbitos todos os dias, sem nem se quer ter a oportunidade de uma despedida!  São pessoas que, assim como nós, leitores desse texto, eram o amor da vida de outras pessoas, tinham sonhos e objetivos que com certeza não se resumiriam a ser mais um no leito de uma unidade hospitalar. Leia mais

Suspensão social

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA). Fotógrafo. Artista sonoro (criação)


Assumindo o caráter subjetivo/ objetivo da produção etnográfica, busco, a partir de estratagemas ficcionais, comunicar estados emocionais e psíquicos envoltos pelo fazer etnográfico em tempos pandêmicos.
Leia mais

Fique em casa/Stay home

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA). Fotógrafo. Artista sonoro (criação)


Assumindo o caráter subjetivo/ objetivo da produção etnográfica, busco, a partir de estratagemas ficcionais, comunicar estados emocionais e psíquicos envoltos pelo fazer etnográfico em tempos pandêmicos.
Leia mais

NOVAS JANELAS URBANAS?

por Epitacio Nunes de Souza Neto, Doutorado em Psicologia  pela Universidad del Salvador–USAL (Buenos Aires, Argentina), Professor de Psicologia na Faculdade de Integração do Sertão – FIS (Pernambuco, Brasil)


As janelas já não revelam cidades, apenas suas partes. Realidades sufocadas em paredes opressoras, enquadradas por molduras metálicas ou madeira velha, enubladas em vidraças sujas. A convivência contida, tal como as emoções diante de algo invisível e funesto. A suposta superioridade do homem, rotulada de racionalidade, está à prova em pleno século das tecnologias avançadas. Suas debilidades e fraquezas estão expostas em vazados de concreto que se acendem e apagam, revelando nuanças, tons, sutilezas e particularidades das vidas privadas, cotidianos antes sem importância ou valor. Como os semáforos, suas cores e luzes já não indicam movimentos. Estes foram cessados sem aviso prévio. Não se vai ou se vem. Não se corre mais porque não há pressa das cidades. Leia mais