Os infetados

por Marta Maia, investigadora pós-doc (CRIA-ISCTE)


Desde há meses, que me parecem anos, tal não estou eu perdida no tempo que se esvaziou da sua normalidade (normalidade, doce normalidade…), o dia-a-dia é pautado por discursos confusos, notícias angustiantes e imagens assustadoras. “Ninguém escapará ao contágio!” E como escapar ao contágio do pavor e da ansiedade? “Portugueses despedem-se desanimados”. Estaremos mesmo desanimados? “Lisboa é uma “sombra”. Será? A mim parece-me ainda mais bonita sem o ruído das multidões de turistas vagarosos e cidadãos apressados. Leia mais

AQUI DO ALTO

foto da autora

por Cecília Avelino, doutoranda em Estudos Urbanos (CRIA-ISCTE) em co-tutela com Ciências da Comunicação (ELICO – Université Lyon 2)


Do alto do sétimo andar observo a cidade. Lyon, no sudoeste da França. Não é necessário ir para a varanda, ainda está frio lá fora. Tenho a sorte de conseguir observar a cidade sentada à mesa de jantar, do quarto, da sala de banho e até enquanto cozinho. Só não do toilette, mas já seria pedir demais. Depois de viver alguns meses em um estúdio cuja única abertura era no teto, estar em um T1 com amplas janelas em todos os cómodos, nunca foi tão valoroso. Principalmente quando vivemos sob confinamento extremo. Leia mais