Torres de Manteiga em Tempos de Pandemia

por Joana Areosa Feio, doutorada em Antropologia (ICS-UL)


1- Arthur saiu de casa aflito. Acontece-lhe uma vez ao dia: a respiração acelera e de repente já não a consegue controlar. Esta torna-se um corpo estranho, externo e faz o coração disparar. É um fenómeno quase visual: Arthur olha em volta e vê o seu coração espalhado no fogão, na mesa da cozinha, na torneira, no saco das cebolas e não o consegue meter para dentro. Bebe um copo de água, tenta engoli-lo. Melhora ligeiramente. Entra em apneia e também se sente encolher. Arthur evita a fita métrica por estes dias, tem a certeza que está mais pequeno mas prefere não comprovar. Assim que ganha equilíbrio: sai. Leia mais

NOVAS “FRONTEIRAS”

por Maria Abranches, Lecturer in Social Anthropology, University of East Anglia (Norwich, Reino Unido)


São 12 casas. Em cada uma mora entre uma e cinco pessoas, e vários cães, gatos e galinhas. Moro na casa do meio há quase cinco anos. Para além das nossas vidas, nunca aconteceu muito por aqui – um lugar que não é de passagem, porque aqui acaba. Daqui saía-se para a vila ou a cidade mais próximas (de carro, bicicleta, ou caminhada de 4 quilómetros), ou aqui se chegava depois de um dia preenchido pela rotina habitual. Agora, em tempo de confinamento, fazemos das nossas 12 casas o nosso espaço. Leia mais