#enfrentaroCOVID – 5. Esperança

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Terminei o ensaio anterior dizendo que a pandemia da COVID-19 desafia a humanidade a explorar o que não se sabe, uma vez que a experiência passada não produziu conhecimento suficiente para se desenvolver protocolos totais, completos, para lidar com a novidade radical da propagação do SARS-CoV-2.

Leia mais

ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (2) – Deixei de ouvir os aviões

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Hoje foi mais um dia igual aos outros. Já nem sei se é sábado, dia da semana, fim-de-semana… dias sempre iguais. Apesar de tudo, levantamos-nos cedo – 7h30.  Ontem anunciei – “amanhã, e uma vez que estará um dia de sol, vamos dar um passeio a pé”. Temos estado a acordar bem mais tarde do que seria o normal.  9h30, 10h00… mais cedo para quê? Para quem? Entrámos num certo vagar como aquele que experimentamos quando sabemos que nada temos ou podemos fazer. Um agridoce ‘fare niente’. Sábados, sem confinamento, são dias bem atarefados e logo desde muito cedo. Levar o André à escola de música para as aulas de piano, depois aula de natação. Entretanto, faço tempo com as compras no mercado e na mercearia. Ao Sábado compro sempre dois pães do Torrão – um pão de trigo malcozido que é uma delícia – na Riviera – uma charcutaria na Cova da Piedade que vende uns excelentes produtos alentejanos. Mas hoje não pode ser. Aliás, já não foi assim no Sábado passado. Despedi-me da senhora da charcutaria no dia 14 de Março com um ‘até ver’ que, na verdade, já anunciava um interregno mais longo do que o normal. Aliás, a proprietária disse-me na altura e numa formulação bem assertiva. “Decidam oficialmente ou não, para a semana encerro o estabelecimento… não se justifica estar aberto [menos clientes] e não vale a pena arriscar a saúde”. E assim fez. Leia mais

ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (1)

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Acabo de receber um email de uma colega… “Amor em tempo de coronavírus!”, glosando o título da obra de García Márquez. Conta-me ao longe o que é a sua nova realidade familiar. Amor, desespero, impaciência (e o seu reverso)… filhos, tarefas domésticas, aulas (à distância de um clique?!) Este é o primeiro dia do resto das nossas vidas! Subitamente, ou talvez não, a realidade parece que nos submerge num pesadelo. É isso que me diz Elsa, minha companheira, logo pela manhã. “Não achas que tudo isto é um pesadelo?” Ela habituada à micro e nanoescala das bactérias e fungos lá no Ricardo Jorge, no Instituto Nacional de Saúde, onde investiga há anos cianobactérias (aqueles microrganismos verdes que muito concentrados nas águas dos rios parecem algas). Nem sei bem o que dizer. Leia mais