Escritos extra-ordinários na cidade à espera

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


Por detrás de cada aviso, mensagem ou desenho afixado na vitrine*, na porta, na janela ou entrada de loja ou prédio, há mãos que teclaram, escreveram e desenharam. Pelo seu próprio punho. Por detrás de cada aviso, mensagem ou desenho há pessoas que viram, de súbito, as suas vidas mudar. Por detrás destes escritos extra-ordinários (lembrando e glosando a noção de “écritures ordinaires” de Daniel Fabre et al) há vidas suspensas. Pequenos negócios ligados ao respirador, patrões e gerentes espreitando oportunidades, trabalhadores e trabalhadoras em asfixia, crianças confinadas com as suas famílias, estafetas “uberizados” a entregar comida.

 

[ clique nas imagens para aumentar ]

Leia mais

PARIS NÃO É UMA FESTA*

por Fabiela Bigossi, doutorada em Antropologia Social, investigadora no Observatório Regional de Saúde de Île-de-France (Paris, França)


O isolamento social, medida privilegiada pela maioria dos países no combate à epidemia da COVID-19, reconfigurou a sociabilidade quotidiana. As tecnologias de informação e comunicação presentes na vida de grande parte da população mundial tomaram fôlego como a forma mais segura de continuarmos em contato. Para as gerações e classes que «nasceram conectadas» ao mundo virtual, a sociabilidade vivida através das redes sociais não é novidade. Importante salientar que o aumento das possibilidades de se conectar a sua rede de amigos, familiares e profissionais não contempla todas as pessoas. Seja pela falta de acesso a aparelhos e redes de conexão ou por não dominar o uso das tais tecnologias de comunicação e de informação. Leia mais