Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”

TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor. Leia mais

DERIVA COTIDIANA | Vida de Apartamento

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil


O antropólogo francês Michel Agier defende em um de seus livros (Encontros Etnográficos – contexto, interação, comparação, 2015), e concordo com ele, que “Não existe etnólogo sem uma partida, sem sair de casa e ir olhar o mundo […]”. Em tempos de circulação controlada de pessoas, coisas e mercadorias, esse movimento de pesquisa, orientado por princípios como o de “Olhar, Ouvir e Escrever” – para lembrar os ensinamentos do antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira -, se mostra um tanto quanto complicado. Leia mais

DERIVA COTIDIANA | Dia-a-Dia, Outono I

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil

“Tenho apenas duas mãos  e o sentimento do mundo, […]”
(Carlos Drummond de Andrade)

Certa vez, assistindo a um documentário do poeta Paulo Leminski no Youtube, “A Ervilha da Fantasia” (1985) – com direção de Werner Schumann -, me deparei com a seguinte frase: “(…) É através da loucura dos poetas, através da ruptura que eles representam que a sociedade respira.” Leia mais

ÁUDIO-CONFINAMENTOS: sons mundanos, canções e pandemia

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


No início do meu confinamento, publiquei na minha página de Facebook um pequeno texto que tinha como epígrafe uma frase retirada do livro The Tuning of the World de Murray Shafer: “as fábricas mataram as canções”. O motivo para a evocação dessa frase estava nas imagens que então corriam o mundo, via televisão e redes sociais, de vizinhos de bairro em Itália (inicialmente em Nápoles e depois em outras cidades) assomando às suas varandas para cantar coletivamente. Leia mais