JANELAS

por Elisabete Fragoso, licenciada em Antropologia pela NOVA-FCSH | produtora e gestora cultural


O confinamento é um convite à observação, ao reparo no detalhe de coisas até então vedadas mesmo a quem habitualmente está mais atento, talvez por nunca se terem mostrado motivo de reflexão. Passámos a olhar de forma diferente os espaços habitados. A casa passa a confiar-nos uma observação mais atenta do mundo que habitamos dentro das nossas próprias narrativas. Observo os hábitos dos vizinhos dos prédios que circundam o largo onde resido. No terceiro andar de um dos edifícios na parte sul do largo, uma rapariga que se exercita no terceiro andar. Nesse mesmo prédio, pontualmente, uma mulher no quinto andar, ri e fala alto. No prédio ao lado desse, um par de pessoas faz exercícios no terraço. No edifício em frente do meu, existe uma varanda com um par de cadeiras, onde de tempos a tempos, um rapaz fuma um cigarro ou dois deles bebem um copo. No terraço desse mesmo prédio, uma dupla salta à corda e faz exercícios em sequência. No meu prédio, os vizinhos abaixo do meu andar, fazem barulho daquilo que julgo ser o exercício regular. Uns dias, algumas destas coisas são simultâneas, mas na maioria dos dias são desfasadas. Leia mais

Por que os homens protagonizam os índices de mortalidade da COVID-19?

por Naiara Maria Santana, doutoranda em Antropologia na Universidade Federal da Bahia | Gira – Grupo de Estudos Feministas


Intuo que uma velha dicotomia, em certa medida ultrapassada, mas ainda com alguma validade para pensar a espacialização das relações de gênero, possa nos dar pistas. Falo da dicotomia entre espaço público e doméstico, afinal, por mais existam exceções, há, em geral, uma dinâmica de territorialização dos gêneros em que as mulheres estão mais circunscritas aos espaços domésticos e os homens aos espaços públicos. Considerando isto, o “fique em casa” tem impactos diferentes entre mulheres e homens.

Leia mais

NOVAS “FRONTEIRAS”

por Maria Abranches, Lecturer in Social Anthropology, University of East Anglia (Norwich, Reino Unido)


São 12 casas. Em cada uma mora entre uma e cinco pessoas, e vários cães, gatos e galinhas. Moro na casa do meio há quase cinco anos. Para além das nossas vidas, nunca aconteceu muito por aqui – um lugar que não é de passagem, porque aqui acaba. Daqui saía-se para a vila ou a cidade mais próximas (de carro, bicicleta, ou caminhada de 4 quilómetros), ou aqui se chegava depois de um dia preenchido pela rotina habitual. Agora, em tempo de confinamento, fazemos das nossas 12 casas o nosso espaço. Leia mais