Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade”

por Cristiana Vale Pires,  PhD em Antropologia, investigadora no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


A ameaça do vírus persiste, mas não é suficiente para impedir a ocupação de espaço público por aqueles/as que têm vivido à margem da branquitude capitalista. Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”

Já as paredes têm voz

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Durante semanas a cidade enclausurou-se. Como no poema de Konstantíno Kaváfis, «À espera dos bárbaros», o invasor parecia ter ocupado praças e ruas mesmo antes de ter chegado. As vozes que sobravam acantonavam-se nas filas do supermercado e da farmácia, para além das que nos chegavam de amigos distantes ou próximos graças à tecnologia. O resto eram novas e velhas sonoridades que se destacavam no silêncio: o trinar dos pássaros ou o rodado de um carro singular em vias rápidas onde a circulação costumava ser constante. Os avisos de suspensão da vida comum enchiam montras comerciais, e esses cartazes, alguns banais e outros surpreendentes, hão de ser um dos sinais materiais que perdurarão desta pandemia, guardados em fotos, ou talvez na arca sem fundo de algum colecionador que se lembre de os recolher. Leia mais