Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país. Leia mais

São aproximadamente sete da tarde

por Raquel Gil Carvalheira, investigadora pós-doc no CRIA-NOVA FCSH


São aproximadamente sete da tarde. Ouço a campainha. Do lado de lá, alguém diz: “É a Guida!” (uso pseudónimos). Abro a porta e afasto-me: “A Lurdes recebeu hoje uma encomenda do correio para si”. “Mas eu não ouvi o carteiro tocar à campainha!” apresso-me a dizer, dando sinais de que estou a fazer como toda a gente. E adianto: “Passei o dia todo eu casa!” “Pois”, diz-me a Guida, “ele também não tocou à minha campainha, mas a Lurdes recebeu a sua encomenda. Eu fui agora deitar o lixo à rua e ela pediu-me para a trazer para cima”. A Guida é a minha vizinha do lado. Terá aproximadamente setenta anos, vive sozinha. Desde que começou o confinamento já não visita o cunhado que se encontra, desde o falecimento da sua irmã, num lar para idosos. Mas leva-lhe o jornal e umas bananas, de que ele gosta muito, e que entrega à funcionária que está à entrada. A Lurdes, com os oitenta e seis anos feitos já em época de COVID, é a vizinha do rés-do-chão, a primeira residente do prédio onde vivo, no centro de Lisboa, numa zona residencial que aparenta ser habitada por gente mais velha, apesar de, actualmente, ser muito procurada por jovens que não conseguem viver noutros sítios da cidade. Leia mais

Notas confinadas

por Caio Rotta Bradbury Novaes, doutorado em Antropologia (CRIA-NOVA FCSH)


Madrid, abril de 2020. Todos os dias, pontualmente às 20h, os vizinhos dos prédios ao redor iniciam o “ritual das palmas” nas janelas e varandas desde o início da quarentena. Acompanhando as palmas, os gritos de “uh huu!” e “olé!” rendem uma homenagem à todos os trabalhadores que mantém suas atividades durante a pandemia. Preparar as avaliações online da Universidade me ajudam a manter algum sentido de normalidade social. Leia mais