MÁSCARAS COVID-19 E OUTRAS MÁSCARAS

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Podemos reconhecer na máscara – abordada a partir de uma perspetiva “cross cultural” – um conjunto de sentidos. Um deles prende-se com a sua capacidade de presentificação de entidades não humanas – geralmente entidades espirituais – por intermédio de personagens mascarados. Estes são percebidos como sendo as próprias entidades espirituais, que se fazem assim presentes. É esse o significado de muitas máscaras em diversas sociedades tradicionais, da Papua Nova Guiné à Amazónia ou a África. Um segundo significado que muitas máscaras assumem é um significado, não tanto de presentificação, mas de representação.  É que se passa com máscaras que representam entidades – humanas, animais, personagens de comics, etc. – que tanto os mascarados como a sua audiência sabem que são representações – mais ou menos conseguidas, com maior ou menor capacidade de criar a ilusão de uma outra presença, mas sempre representações. É esse o caso de muitas máscaras de carnaval ou – para dar um exemplo mais recente – de máscaras usadas em eventos de cosplay. Finalmente, as máscaras têm um sentido de mera ocultação da identidade – mais evidente nas máscaras venezianas ou em máscaras mais ou menos “neutras” de carnaval.

Pode-se argumentar que nas sociedades do Norte global, a máscara perdeu generalizadamente o seu valor de presentificação, mesmo em comunidades onde podemos presumir que outrora tiveram esse valor. É que se passa em Portugal, com as máscaras associadas ao ciclo dos doze dias (estudadas por antropólogos como Benjamim Pereira, Paula Godinho, Paulo Raposo ou Miguel Vale de Almeida). Essas máscaras – como sugeriu Benjamim Pereira – provavelmente começaram por ter um sentido de presentificação, que, entretanto, perderam, oscilando hoje entre a representação e a mera ocultação da identidade.

Leia mais

A VIDA APÓS PANDEMIA DA COVID-19

por Mariane Dornelas de Araújo de Silva,  aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


Medo, insegurança, ansiedade, luto, essas palavras resumem a atual situação caótica de nosso cotidiano. O isolamento social diante da pandemia da COVID-19 tem impactado significativamente tanto o estado físico quanto o emocional e subjetivo do homem moderno. Momento de crise imprevisível no qual o distanciamento social tem provocado sofrimento psíquico, alterado nossas rotinas, interferido em nossas emoções. As incertezas do amanhã aumentam nosso descontrole emocional diante de uma doença tão grave, nos levando muitas vezes a negar nossa própria condição ou existência. Parece que vivenciamos uma paralização do presente, o esvaziamento do futuro e até mesmo o estranhamento de si.

Leia mais

AUTORREFLEXÃO E AUTOCONHECIMENTO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Fernanda da Silva Sena, aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


A COVID-19 se alastra de forma pandêmica e se revela como um dos maiores desafios da atualidade. Ameaça tudo o que amamos, veneramos e que dá significado a nossas vidas. O isolamento social não apenas nos obriga ao distanciamento físico, mas especialmente ao afastamento dos amigos, parentes próximos, dos espaços de socialização e lazer. Impõe-nos ainda longo tempo de solidão, forçando-nos a um processo de autorreflexão. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

REINVENTANDO O FAZER. AFINAL, COMO ENXERGAR A VIDA PÓS PANDEMIA?

por Ranielly Dornelas de Araújo Paula, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Dormimos em um mundo e acordamos em outro completamente diferente do habitual. De repente abraços e beijos se tornaram armas e distanciar se tornou ato de amor.  A Disney não tem mais o mesmo encanto, magia, beleza, a muralha da China não é mais fortaleza e nosso Cristo redentor clama por todas as pessoas que foram e estão sendo reduzidas a números de óbitos todos os dias, sem nem se quer ter a oportunidade de uma despedida!  São pessoas que, assim como nós, leitores desse texto, eram o amor da vida de outras pessoas, tinham sonhos e objetivos que com certeza não se resumiriam a ser mais um no leito de uma unidade hospitalar. Leia mais

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

Mariquita Iemanjá

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Largo da Mariquita, o “olho do furacão”. O apelido é um pouco exagerado, mas há uma espécie de gargalo em um ponto no qual afluem automóveis por três sentido distintos, o que em horário de pico, congestiona consideravelmente o trânsito. Isto além da conhecida noite do bairro boêmio. Justo nesse largo morei do segundo ao sétimo ano de vida. A pizzaria vapt-vupt, delivery de pizza, como sugere o nome, à esquerda; à direita, a Rio móveis; abaixo, a farmácia Santana e o bar de Ernesto, o português. Acima, só o céu, mas bem longe porque o prédio era bem baixinho. O destaque sonoro era a tampa de esgoto da embasa (a empresa fornecedora de água), solta, a se balançar e estrondar a noite inteira, invariavelmente, todas as noites – bastava passar veículo por sobre. Leia mais

Desconfinamento: reabertura das “lojas chinesas”

por Henrique Chaves (CICS.NOVA-FCSH)


No dia 18 de maio, a lojinha que vende um bocadinho de tudo, vulgarmente chamada de “loja chinesa”, que fica aqui pertinho da minha casa, reabriu. Precisava de passar por lá para ver uma série de coisinhas, aquelas que em conjunto e ao pé de casa só encontramos nestas lojas.

Leia mais

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”

COVID-19: A Resposta de Natureza?

por Anderson Luis dos Santos, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Ao refletir sobre os benefícios causados pelo isolamento social no que diz respeito ao meio ambiente, percebo que foi declarado liberdade à natureza. O fato torna-se notório quando consideramos notícias como: “O Himalaia fica visível para Índia após quarentena contra o coronavírus derrubar poluição” (Folha de São Paulo, 09.04.2020); ou ainda, “Coronavírus: milhões de tartarugas bebê aproveitam confinamento humano para chegar ao mar” (BBC News Brasil, 14.05.2020). Ou seja, a natureza parece reagir de forma positiva à redução dos impactos ambientais promovidos pelo capitalismo e egocentrismo humano. Tais acontecimentos somente se tornaram possíveis graças ao pouco fluxo de pessoas nas ruas e espaços públicos, e da consequente diminuição da poluição. Continuar a ler “COVID-19: A Resposta de Natureza?”

TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor. Leia mais

COVID-19, Globalização e Desglobalização

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


A globalização atual pode ser definida com um conjunto de processos de intensificação dramática dos movimentos – de pessoas e mercadorias, de capitais e formas culturais – que atravessam fronteiras, criam interconexões entre sociedades por vezes muito distantes entre si e têm um carácter transformativo na vida de pessoas e coletivos. Leia mais

POR ONDE CAMINHAR?

por Eliberth Pinheiro dos Santos, estudante de Psicologia – Centro Universitário São Miguel (UNISÃOMIGUEL), Recife (Pernambuco, Brasil)


Ultimamente nossa maior dúvida consiste em saber por onde caminhar quando tudo o que buscamos se torna tão distante de nosso alcance, quando nossos esforços não são correspondidos devido à situação tão preocupante que vivemos. Leia mais

O que vai ser da kizomba com o Covid-19?

por André Soares, doutorando em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (ISCTE-IUL, NOVA FCHS, CRIA)


(Filmado em trabalho de campo em setembro de 2019, numa aula da Escola de Dança Clássica, Luanda, Música de fundo: Fruit de la Passion de Franky Vincent) Leia mais