EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Leia mais

O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19

por Vladimir Bezerra, Psicólogo clínico, Doutorando em Saúde Coletiva pelo Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz (IFF-Fiocruz) – Rio de Janeiro, Brasil


A prática clínica em psicologia tem se deparado nos últimos dois anos com alguns casos circunscritos na relação entre os sujeitos, seus corpos, e a profilaxia pré-exposição (PrEP). De modo geral, há certa predominância nas narrativas de uma experiência corporal mais intensa a partir da utilização da PrEP, fator positivo para seus usuários. Leia mais

Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular. Leia mais

Cotidiano em tempo de quarentena

por Caterine Reginensi, antropóloga, Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf-RJ) e Gabrielle Rocha, arquiteta e urbanista


Campos dos Goytacazes (Rio de Janeiro, Brasil), Março/Abril de 2020.

Desexperienciar a carne do mundo

por Fábio Fonseca de Castro, professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA (Universidade Federal do Pará, Brasil).


Com Husserl, perfaço uma fenomenologia do isolamento. Olhando para a cidade vazia, procuro experiência-la pelos dois modos de ser do meu corpo: como Körper, o corpo objetivo e material, o corpo descritível, e como Leib, o corpo-ventre, o corpo perceptivo. Com meu corpo objetivo sinto a falta do mundo e dos outros. Com meu corpo perceptivo vejo-me sentindo a falta do mundo e imagino de que maneira o mundo falta aos outros.

Leia mais