#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

COVID-19 e o discurso científico

por Helmut Paulus Kleinsorgen, doutorando em Antropologia Social na UFRJ- PPGSA (Brasil)


A partir da classificação da epidemia do coronavirus como uma pandemia, as diferentes narrativas institucionais adotadas por cada país em resposta ao alerta da OMS agruparam um vasto espectro de convicções políticas regionais em dois grandes times mundiais: aqueles que privilegiam o discurso científico hegemônico simbolizado pela própria OMS e, do outro lado da arquibancada, todos os demais que se permitem apostar nas mais variadas suposições e fontes de informação. Leia mais

Por que os homens protagonizam os índices de mortalidade da COVID-19?

por Naiara Maria Santana, doutoranda em Antropologia na Universidade Federal da Bahia | Gira – Grupo de Estudos Feministas


Intuo que uma velha dicotomia, em certa medida ultrapassada, mas ainda com alguma validade para pensar a espacialização das relações de gênero, possa nos dar pistas. Falo da dicotomia entre espaço público e doméstico, afinal, por mais existam exceções, há, em geral, uma dinâmica de territorialização dos gêneros em que as mulheres estão mais circunscritas aos espaços domésticos e os homens aos espaços públicos. Considerando isto, o “fique em casa” tem impactos diferentes entre mulheres e homens.

Leia mais

SOMOS TODAS RESISTENTES

por Ana Rita Veleda Oliveira, mestranda em Antropologia no ISCSP-UL


A pandemia SARS-CoV-2 não tem nada de democrático. A começar pelo acesso ao isolamento físico, que apenas é permitido a quem tenha habitações adequadas. Algumas mulheres são das principais vítimas do coronavírus, ao ficarem encarceradas com os seus agressores ou mesmo violadores. Leia mais

MAPA MENTAL DO NOVO CORONAVÍRUS

por Geissy Reis, mestranda em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (Brasil)


Desde o contexto do nordeste brasileiro, trago em papel, com a utilização de lápis e giz de cera, processos históricos, não exclusivos deste país, mas aqui também situados (no Brasil), que somados à pandemia pelo coronavírus, compõe parte do dramático quadro em que estamos vivendo hoje. Busquei expor o concatenamento de ideias a partir do marco coronavírus; quando penso na pandemia há uma relação de causas e consequências? Se sim, quais? Há instituições e/ou processos pré-existentes que fazem confluir mais e mais rapidamente a disseminação do coronavírus? Quais? De que modo as chamadas “políticas da morte” se aglutinam à este cenário de calamidade pública, e continuam a levar à morte grupos humanos, identidades, memórias, cosmovisões e indivíduos sociais? Leia mais