Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 3. Communitas

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Não será decerto descabido olhar para o período de confinamento como sendo uma passagem entre a vida normal e a vida pós-normal, ou entre o velho normal e o novo normal. Neste percurso, as fases dos ritos de passagem descritas por Arnold Van Gennep – separação, liminaridade e reagregação[1] – e esquematizadas no diagrama mostrado acima são facilmente discerníveis. Por exemplo, alguns profissionais das atividades tidas por não fundamentais para debelar a pandemia da COVID-19 ou para manter os serviços essenciais a funcionar foram desinvestidos do seu estatuto de agentes economicamente úteis e impelidos a projetar a sua vida em função das repercussões incertas do lay off, tendo, em muitos casos, que recorrer a medidas de apoio e de segurança social. Neste exemplo, o desinvestimento de estatuto separa estes profissionais dos profissionais de plena participação (o seu anterior estatuto), colocando-os num plano de liminaridade durante o qual são incitados a explorar as possibilidades de readquirirem a participação plena e eventualmente serem reagregados (incorporação num novo estatuto).

Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”

APARTAMENTXS VENTUR (#6) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.

Leia mais

APARTAMENTXS VENTUR (#5) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.

Leia mais

Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 2. Confinados

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Saltando as barreiras entre as espécies, o SARS-CoV-2 rapidamente propagou a sua atividade desde o nível mais microscópico das estruturas da quase-vida até ao nível mais macroscópico da biosfera, ajudando a evidenciar os efeitos da ação humana sobre o clima, por exemplo. A proliferação feroz do SARS-CoV-2 provocou e continua a provocar alterações na arquitetura e nos efeitos do Antropoceno. Leia mais

APARTAMENTXS VENTUR (#4) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.

Leia mais

Companhia Nacional de Bailado

por Maria José Fazenda, professora coordenadora na Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa, investigadora integrada no CRIA-ISCTE.


Ao longo de um mês, do início de fevereiro ao início de março de 2020, foram remontadas nos estúdios do Teatro Camões, residência da Companhia Nacional de Bailado (CNB), duas importantes obras do património da dança teatral contemporânea, A Mesa Verde [Der grüne Tisch] (1932), do alemão Kurt Jooss, e Chronicle (1936), da norte-americana Martha Graham, sob a minuciosa condução de Jeanette Vondersaar e de Elizabeth Auclair, respetivamente. Criadas entreguerras, e ainda que estilisticamente diferentes, ambas as criações registam os efeitos do contexto histórico em que são produzidas — a devastação e o êxodo causados pela guerra, as trágicas consequências sociais da longa depressão económica, do desemprego e a ascensão das ideologias fascistas na Europa —, como dele participam emocional, criativa e criticamente. Leia mais

Fugir à “peste”

por Cecília Menduni Luís, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Da minha janela, meço o tempo, olhando para as árvores e observando como se cobriram de folhagem desde que estou em casa. Viemos todos, aceitando tacitamente as instruções que nos deram e sentindo-nos impelidos a viver com a normalidade possível o distanciamento social. Leia mais

APARTAMENTXS VENTUR (#3) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.


[ hoje publicamos a 3ª prancha. Veja a e a ]

Leia mais

Portas fechadas

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Os ricos ficam menos ricos e os pobres ficam mais pobres”, comenta banalmente um senhor de máscara no queixo para a colaborador de uma oficina no outro lado da rua. A verdade desta frase continua a ecoar na minha cabeça. Leia mais

ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (28) – janela indiscreta

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


É lento o gesto. Cobre os olhos, mexe-se devagar. Está de roupão cinza claro, despenteada; apanha o sol que agora lhe proíbem lá fora. Falo de Maria, mulher dos seus oitenta anos. Nome que lhe imagino. Não a conheço. Já nela tinha reparado antes, sem, no entanto, lhe prestar a atenção que agora lhe dou. Parece incomodada, debruça-se sobre o parapeito do muro de sua varanda (no primeiro andar do prédio em frente ao meu). Parece que vai cair. Lá afasta um pombo que insiste em empoleirar-se no muro, e olha para baixo. Volta a sentar-se e cobre de novo o rosto, para evitar um sol incomodativo. Leia mais