A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

ESQUINA

por Aline Lopes Rochedo, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAS/UFRGS)


Ao redor da meia-noite, ouço a vassoura do gari. Sei quando passa skate, quando é um carrinho de papeleiro, se o porteiro está de partida, a hora que a farmácia teve as portas abertas. Pelo apito dos agentes de trânsito ou pelas buzinas, sei até que faltou energia elétrica. Leia mais

O OLHAR ANTROPOLÓGICO PELA JANELA (IN)DISCRETA: desafios para quem investiga em campo

por Denise Machado Cardoso,  investigadora no Laboratório de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará (Brasil)


A pesquisa etnográfica é uma das principais características do fazer antropológico e tem sido aperfeiçoada pela troca de experiências e reflexões realizadas por quem vivencia a pesquisa de campo. Nesse contexto no qual o isolamento social e o confinamento voluntário se apresentam como uma das maneiras de evitar os impactos da pandemia da COVID 19, ou Corona Vírus, há que se pensar os limites impostos às saídas a campo para fins de estudos antropológicos. Leia mais