A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular. Leia mais

São aproximadamente sete da tarde

por Raquel Gil Carvalheira, investigadora pós-doc no CRIA-NOVA FCSH


São aproximadamente sete da tarde. Ouço a campainha. Do lado de lá, alguém diz: “É a Guida!” (uso pseudónimos). Abro a porta e afasto-me: “A Lurdes recebeu hoje uma encomenda do correio para si”. “Mas eu não ouvi o carteiro tocar à campainha!” apresso-me a dizer, dando sinais de que estou a fazer como toda a gente. E adianto: “Passei o dia todo eu casa!” “Pois”, diz-me a Guida, “ele também não tocou à minha campainha, mas a Lurdes recebeu a sua encomenda. Eu fui agora deitar o lixo à rua e ela pediu-me para a trazer para cima”. A Guida é a minha vizinha do lado. Terá aproximadamente setenta anos, vive sozinha. Desde que começou o confinamento já não visita o cunhado que se encontra, desde o falecimento da sua irmã, num lar para idosos. Mas leva-lhe o jornal e umas bananas, de que ele gosta muito, e que entrega à funcionária que está à entrada. A Lurdes, com os oitenta e seis anos feitos já em época de COVID, é a vizinha do rés-do-chão, a primeira residente do prédio onde vivo, no centro de Lisboa, numa zona residencial que aparenta ser habitada por gente mais velha, apesar de, actualmente, ser muito procurada por jovens que não conseguem viver noutros sítios da cidade. Leia mais

JANELAS PARA DENTRO DE MIM

por Cristina Santinho (CRIA-ISCTE)


“As fotografias são um meio de tornar ´real` (ou `mais real´) questões que os privilegiados e aqueles que estão simplesmente em segurança possivelmente prefeririam ignorar”. Estas palavras, de Susan Sontag, adquirem especial sentido nestes tempos de confinamento. O tema que escolhi fotografar – as janelas da casa onde me encontro recolhida – constitui uma metáfora de um espaço simultaneamente doméstico e domesticado, acolhedor e protetor. Leia mais

NOVAS “FRONTEIRAS”

por Maria Abranches, Lecturer in Social Anthropology, University of East Anglia (Norwich, Reino Unido)


São 12 casas. Em cada uma mora entre uma e cinco pessoas, e vários cães, gatos e galinhas. Moro na casa do meio há quase cinco anos. Para além das nossas vidas, nunca aconteceu muito por aqui – um lugar que não é de passagem, porque aqui acaba. Daqui saía-se para a vila ou a cidade mais próximas (de carro, bicicleta, ou caminhada de 4 quilómetros), ou aqui se chegava depois de um dia preenchido pela rotina habitual. Agora, em tempo de confinamento, fazemos das nossas 12 casas o nosso espaço. Leia mais

ETNOGRAFIAS DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (1)

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


Acabo de receber um email de uma colega… “Amor em tempo de coronavírus!”, glosando o título da obra de García Márquez. Conta-me ao longe o que é a sua nova realidade familiar. Amor, desespero, impaciência (e o seu reverso)… filhos, tarefas domésticas, aulas (à distância de um clique?!) Este é o primeiro dia do resto das nossas vidas! Subitamente, ou talvez não, a realidade parece que nos submerge num pesadelo. É isso que me diz Elsa, minha companheira, logo pela manhã. “Não achas que tudo isto é um pesadelo?” Ela habituada à micro e nanoescala das bactérias e fungos lá no Ricardo Jorge, no Instituto Nacional de Saúde, onde investiga há anos cianobactérias (aqueles microrganismos verdes que muito concentrados nas águas dos rios parecem algas). Nem sei bem o que dizer. Leia mais