A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Tocqueville, o Interesse Bem Compreendido e #Fiqueemcasa: observações sobre controle epidemiológico e democracia no Brasil[1]

por Helena Bomeny (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)e Maria Claudia Coelho (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)


Em 1835, Alexis de Tocqueville publicou Democracia na América. Nessa obra, propõe o conceito de “interesse bem compreendido”, com o qual designa aquilo que, do ponto de vista da relação entre interesse individual e bem comum, lhe parece ser um atributo singular dos EUA. Nessa doutrina, bem-estar individual e bem-estar de todos se conjugam, e sua eficácia reside em voltar “o interesse pessoal contra ele mesmo”. Leia mais

VIVI PRA VER (I): agradecimentos à pandemia do coronavírus

por Diego Amoedo Martínez, Professor de Antropologia na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA, Brasil)


Vivi pra ver foi uma expressão que me veio à cabeça esta semana, sentado no sofá e sem sair do meu estado de assombro e perplexidade em que me encontro e nos encontramos no mundo. Essa pandemia que nos assola enquanto terra e nos desafia enquanto espécie é um ótimo motivo de reflexão. Leia mais