Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação. Leia mais

Antropologia de máscara

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A máscara é uma apresentação. Seja esta apenas do rosto ou de todo o corpo, a máscara é  um ato de expressão antes da elocução. As máscaras ocultam mas na mesma ação em que omitem simultaneamente revelam, porque simbolizam. Ao dissociar o indivíduo de uma personalidade e impondo uma identidade, mais do que a cara, a máscara é um agente social. Leia mais

A lição da Antropologia

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A utilização do singular no título deste texto parecerá redutor. Seria uma subtração querer condensar o conhecimento de toda uma disciplina académica, a história e o progresso intelectual que nela se concretizam numa única expressão. Uma teoria unificadora, que sintetizasse uma área do conhecimento, estaria em oposição com uma área do saber que é caracterizada pela contextualidade das suas investigações, que a tornam ainda mais plural e diversa. Mas será precisamente nesta diversidade e pluralidade que se encontraria a tese possível: A lição da antropologia é o relativismo do humano. Leia mais

MAPA MENTAL DO NOVO CORONAVÍRUS

por Geissy Reis, mestranda em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (Brasil)


Desde o contexto do nordeste brasileiro, trago em papel, com a utilização de lápis e giz de cera, processos históricos, não exclusivos deste país, mas aqui também situados (no Brasil), que somados à pandemia pelo coronavírus, compõe parte do dramático quadro em que estamos vivendo hoje. Busquei expor o concatenamento de ideias a partir do marco coronavírus; quando penso na pandemia há uma relação de causas e consequências? Se sim, quais? Há instituições e/ou processos pré-existentes que fazem confluir mais e mais rapidamente a disseminação do coronavírus? Quais? De que modo as chamadas “políticas da morte” se aglutinam à este cenário de calamidade pública, e continuam a levar à morte grupos humanos, identidades, memórias, cosmovisões e indivíduos sociais? Leia mais