Apresentação

 

 

 

 

CONFINARIA – Etnografias em Tempos de Pandemia é uma proposta de Comunicação de Ciência do CRIA que consiste num blogue coletivo onde se partilham reflexões e experiências sobre os tempos vividos em contexto de pandemia causada pelo COVID-19, e que servirão para memória futura e apreciação retrospectiva destes tempos excecionais.

Estes são tempos diferentes; quotidianos alterados e renovados; vidas, de certo modo, suspensas no medo, no receio de um vírus que se tornou pandémico e que fez alterar a ordem social, as relações pessoais, as formas mais regulares de comunicação e interacção – do trabalho, à família, passando pelos grupos de amigos ou outros colectivos dos quais vamos fazendo parte. 

Há muito que Donna Haraway (e outros como Eben Kirksey, Stefan Helmreich ou Anna Tsing) sugeriram alargarmos o escopo dos outros bióticos com os quais nos temos que relacionar quando fazemos etnografia – no âmbito das ‘suas’ etnografias multiespécie. Falaram da vida social das bactérias e fungos (como seres vivos que são) e hoje temos um vírus que literalmente precisa de nós e de outros seres vivos para poder ser. E todas as vidas parecem depender dele!

Somos ou estamos diferentes desde dia 16 de Março de 2020. Estamos? Somos? E como reagimos ao medo e às restrições impostas? Como nos comportamos tendo em conta os avisos médico-cientítificos, político-sociais? Como lidamos agora com os nossos filhos, companheiras, irmãos, vizinhos, amigos, os comerciantes das ruas onde vivemos? Como estamos com os mais velhos? Que cuidados temos com a roupa, a lavagem das mãos e outras soluções de etiquetagem da saúde que agora somos levados a considerar? Estamos mais atentos – no duplo sentido da palavra? Cuidamos mais e melhor? Como lidamos, então, com este confinamento, ‘estes dias aparentemente sempre iguais’? A partir de uma etnografia das ruas, das zonas residenciais, das casas, das vidas, pretende-se criar um diário de um tempo excecional. De um tempo outro que nos faz inevitavelmente outros.

Os registos podem ser vários: impressivos, refletidos, teorizados, ou mais artísticos, tentando dar conta de uma antropologia do imediato, de uma etnografia da urgência. Importa o que nos afeta e o que afeta aqueles que temos a possibilidade de ir acompanhado, vendo, escutando, sentindo. São terrenos novos, diferentes em virtude de limitações (auto) impostas. Abrimos a porta de nossas casas (e incluímo-nos nas nossas novas respostas), e vamos às ruas e aos espaços que nos é permitido frequentar. Olhamos por nós e vemos os que nos rodeiam – seguramente produzindo registos que darão azo no futuro e retrospectivamente a uma apreciação mais completa, complexa (porque feita de múltiplas perspectivas) e necessariamente plural destes dias.

30 de março de 2020.


Saiba como colaborar aqui.


CONFINARIAS – continuando

Seguimos confinados, desconfinando e desconfiando paulatinamente. Os tempos permanecem incertos e equívocos, marcados pelas dúvidas e pelas ambiguidades próprias dos ‘denominados’ problemas complexos. Não há resposta certas, seguras, capazes de nos tranquilizar. O período do confinamento mais determinado – o Estado de Emergência em Portugal com outros nomes noutros lugares – deu-nos motivos de reflexão, de questionamento, de apoquentação e inquietação. Entre as teorias da conspiração e um (in)devir impróprio porque incerto, novo, enigmático, vimos que as vidas pessoais, individuais, colectivas, familiares, profissionais se transformaram. Tempo de ‘cólera’, lutos forçados, violências (in)esperadas, e os ‘bravos do pelotão do capitalismo’ já prontos para o que der e vier. Do muito tempo disponível ao sem tempo para ‘nada’ não foi tempo nenhum. Trabalhamos mais (tantos), tantos e mais tantos sem trabalho. E só agora começou! Ou será que só agora vai começar?

A urgência e a importância da escrita e do registo etnográfico mantêm-se exactamente iguais, na mesma medida. O convite que lançámos no final de março é, porventura, mais crítico hoje, passados dois meses desse início de uma (a)normalidade. E quando se fala de um novo normal porque não falar de uma anormalidade que possa quebrar com tantas ‘normalidades’ que nos trouxeram aqui. Remetemos para a reflexão de Ignacio Ramonet[1] para o seu convite a pensarmos num futuro outro. Um futuro que não se olvide deste presente estranho, desse passado responsável e deste gerúndio existencial que conjugamos diariamente. É desses que queremos continuar a ler. Não só porque a antropologia precisa, mas porque o Mundo tem que conhecer estas histórias simultaneamente tão micro e específicas, mas igualmente tão ricas e cheias de matéria para reflectir.

Fica o convite. Continuem atentos, vigilantes, à escuta, prestando a atenção ao que acontece e ao que está por vir. E escrevam, partilhem.

20 de maio de 2020.


CONFINARIA – sentindo o pulso ao pós-confinamentos e às ‘retomas’

No momento quando em muito lugares se retomam ‘novas’ normalidades – em que a experiência social parece ganhar conteúdos renovados, voltamos a desafiar as atenções, as percepções, as experiências das coisas. Queremos conhecer e saber o que se está a passar. Nas nossas vidas, casas, ruas, vilas, cidades, aldeias, praias, estações de comboio, aeroportos, parques, ginásios, cinemas, estádios… Com a gente que somos, que conhecemos, que vemos ou deixámos de encontrar. Assumimos que, como sempre, tudo isto é desigual, diferente, diverso e merece ser conhecido e refletido enquanto tal. Renovamos, portanto, o convite para uma escrita diária etnográfica sobre o que está a acontecer agora. Não pretendemos normatividades, tampouco certezas ou prescrições como se daqui apontasse a luz para um caminho desejável. Pelo contrário, há nesta proposta uma base interrogativa e prospectiva que aponta, acima de tudo, a revelações, descobertas e achados. Como sempre e porque somos antropólogos, assumimos a pluralidade do vivido, do sentido e das respostas que cada um, sozinho ou em grupo, poderá e será capaz de dar.
 
Pretendemos que este blogue continue a ser o que foi até aqui, ao mesmo tempo que nos propomos renová-lo. Pretendemos que se mantenha aberto e plural, mas queremos também dar densidade ao tema que o fundou, através de uma discussão mais aprofundada e participada. Sem prejuízo de textos curtos (até 500 palavras) e enquadráveis no modelo que vem sendo seguido, solicitamos, igualmente, contributos de natureza mais ensaística (até duas mil palavras), nas quais se possam inscrever interpretações, tematizações e análises mais sistematizadas sobre a pandemia e suas consequências.

8 de junho de 2020.


CONFINARIA – novas impressões de um Tempo permanentemente (in)certo

Passado um ano do início de um ‘novo’ normal, seguimos mais ou menos confinados sem saber muito bem o que nos espera. Entre aberturas, fechamentos, reaberturas e refechamentos, não ficámos, de facto, todos bem. Muitos já pereceram, muitos sofrem e sofreram. Nunca vivemos todos o mesmo, não sentimos ou somos afectados de forma igual. A diversidade que caracteriza a condição humana também ou, sobretudo, na vulnerabilidade e nos riscos é mais evidente. Não voltámos efectivamente a um tempo ‘regular’ ou seguro, independentemente do ponto de partida de cada um. Mas a vida segue, entre dor, morte, sofrimento, perdas, realizações, adiamentos, criatividades, soluções mais ou menos imaginativas.

Renovamos o convite para que nos emprestem impressões, agora centrado em registos curtos, anotações breves deste tempo incerto. Fotos, palavras, sons, desenhos, números, recortes, ideias, apontamentos soltos, ‘à pele’ que nos façam aceder aos múltiplos lugares e vivências desta extraordinária normalidade.

23 de março de 2021.


 

 

UIDB/04038/2020