CONFINARIA – webinar #2

A pandemia e os seus impactos: um olhar a partir das ciências sociais

com Ruy Blanes (School of Global Studies, Universidade de Gotemburgo), Louise Pasteur de Faria (UFRGS, Halo Ethnographic Bureau), Joana Martins, (CRIA-ISCTE), Maria Manuel Quintela (ESEL, CRIA-ISCTE), Humberto Martins (UTAD, CRIA-UMinho), Paulo Mendes (UTAD, CRIA-UMinho)


Leia mais

Não estamos todos no mesmo barco

por Catarina Leal, doutoranda em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (CRIA, ISCTE, NOVA FCSH), com Maisie Rozzo, jovem da Greve Climática Estudantil do Algarve


No dia 19 de março de 2021, durante o estado de emergência e o segundo confinamento declarado em Portugal, cerca de 10 jovens da greve climática estudantil do Algarve, maioritariamente do Ensino Secundário, decidiram participar numa concentração em frente ao mercado municipal de Faro, para lutar por justiça social e climática. A jovem entrevistada fala sobre a sua motivação para participar no protesto, a forma de organização do grupo, o tipo de acções que desenvolvem, o que defendem, entre outras questões.

Leia mais

Racismo em tempos de pandemia: da violência policial ao confinamento étnico-racial

por Pedro Sousa de Almeida, investigador no CRIA-Iscte, IR do projeto “Racismo e Xenofobia em Portugal: a normalização dos discursos de ódio no espaço público da internet”


Num relatório publicado pela Amnistia Internacional, no início do verão passado, concluía-se que as forças policiais europeias têm usado, de forma altamente desproporcional, a coerção e a violência física para com as populações racializadas, como meio de fazer cumprir as regras do confinamento implementadas nos diferentes países. Intitulado Policing the Pandemic[1], o relatório, que incidiu sobre a atuação das polícias em 12 estados europeus, sublinha a existência de um padrão no que se refere à violação dos Direitos Humanos, atingindo particularmente grupos marginalizados que já experienciavam discriminação muito antes da pandemia.
Leia mais

Fenómeno total

por Bruno Urbano, licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


Em “Ensaio sobre a dádiva”, Marcel Mauss define que “fenómenos sociais «totais», como propomos chamar-lhes, exprimem-se ao mesmo tempo e de uma só vez todas as espécies, de instituições: religiosas, jurídicas e morais — e estas políticas e familiares ao mesmo tempo; económicas — e estas supõem formas particulares da produção e do consumo, ou antes, da prestação e da distribuição; sem contar os fenómenos estéticos a que estes factos vão dar e os fenómenos morfológicos que manifestam estas instituições.” (Mauss, 1950: 55) Leia mais

A Menta Humana

por João Meirinhos, artista visual, antropólogo


Num tempo em que se inicia um processo de extinção em massa a nível global, a mente de Miguel – cujo passado havia já sido varrido por um conveniente lapso temporal – tenta tropegamente adaptar-se ao “Novo Normal”. Apesar do isolamento, da extrema direita, da brutalidade policial, das máscaras personalizadas, da paranóia das vacinas e do aquecimento global ainda é permitido mandar vir uma pizza com ananás, mas, é no momento de a engolir que Miguel mais teme pela sua sanidade mentol.
Leia mais