Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação. Leia mais