EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Leia mais

CONVERSA DE BOTAS BATIDAS

por Ana Eduarda Diehl, Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná


Até outro dia estávamos passando comida por baixo da porta,
mas o cansaço dos dias tão iguais nos torna torpes ou talvez mais
distraídos.

Não foi bem uma determinação de romper a quarentena,
simplesmente aconteceu, e foi na metade do caminho que caí em mim:
estávamos a caminho cemitério em meio a uma pandemia. Leia mais

MÁSCARAS COVID-19 E OUTRAS MÁSCARAS

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Podemos reconhecer na máscara – abordada a partir de uma perspetiva “cross cultural” – um conjunto de sentidos. Um deles prende-se com a sua capacidade de presentificação de entidades não humanas – geralmente entidades espirituais – por intermédio de personagens mascarados. Estes são percebidos como sendo as próprias entidades espirituais, que se fazem assim presentes. É esse o significado de muitas máscaras em diversas sociedades tradicionais, da Papua Nova Guiné à Amazónia ou a África. Um segundo significado que muitas máscaras assumem é um significado, não tanto de presentificação, mas de representação.  É que se passa com máscaras que representam entidades – humanas, animais, personagens de comics, etc. – que tanto os mascarados como a sua audiência sabem que são representações – mais ou menos conseguidas, com maior ou menor capacidade de criar a ilusão de uma outra presença, mas sempre representações. É esse o caso de muitas máscaras de carnaval ou – para dar um exemplo mais recente – de máscaras usadas em eventos de cosplay. Finalmente, as máscaras têm um sentido de mera ocultação da identidade – mais evidente nas máscaras venezianas ou em máscaras mais ou menos “neutras” de carnaval.

Pode-se argumentar que nas sociedades do Norte global, a máscara perdeu generalizadamente o seu valor de presentificação, mesmo em comunidades onde podemos presumir que outrora tiveram esse valor. É que se passa em Portugal, com as máscaras associadas ao ciclo dos doze dias (estudadas por antropólogos como Benjamim Pereira, Paula Godinho, Paulo Raposo ou Miguel Vale de Almeida). Essas máscaras – como sugeriu Benjamim Pereira – provavelmente começaram por ter um sentido de presentificação, que, entretanto, perderam, oscilando hoje entre a representação e a mera ocultação da identidade.

Leia mais

Margaret Mead e James Baldwin

por Rita Cachado, PhD em Antropologia, investigadora do CIES-ISCTE


Li Racismo ao Vivo dias antes do início da declaração da OMS sobre a pandemia COVID, um tempo alargado onde o racismo viria a estar na ordem do dia em todo o mundo a partir de finais de maio. Mais do que spoiler, partilho sensações.

O livro é a transcrição de conversas entre Margaret Mead e James Baldwin, em 1973[1]. Margaret Mead viria também a ser lembrada na pandemia, no discurso de Tolentino Mendonça no dia de Portugal, por uma sua tirada sobre o que definia o humano – que tinham achado um fémur sarado, revelando que o cuidado distinguia o humano dos restantes animais. A prestação de Mead nas conversas do livro referido é, contudo, algo constrangedora para antropólogos que lêem este livro hoje.

Leia mais