Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade”

por Cristiana Vale Pires,  PhD em Antropologia, investigadora no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


A ameaça do vírus persiste, mas não é suficiente para impedir a ocupação de espaço público por aqueles/as que têm vivido à margem da branquitude capitalista. Leia mais

Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19 Leia mais

A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país. Leia mais

Antropologia de máscara

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A máscara é uma apresentação. Seja esta apenas do rosto ou de todo o corpo, a máscara é  um ato de expressão antes da elocução. As máscaras ocultam mas na mesma ação em que omitem simultaneamente revelam, porque simbolizam. Ao dissociar o indivíduo de uma personalidade e impondo uma identidade, mais do que a cara, a máscara é um agente social. Leia mais

A morte que vivemos: reflexões sobre a angústia em tempos de pandemia1.

por Pedro Barboza, doutorando em Ciências Sociais pelo Programa e Pós-Graduação em Ciências Sociais/UERJ


Um dos sintomas sociais mais destacados nos tempos da pandemia provocada pelo novo coronavírus é a sensação de não saber lidar com as rotinas que nos são impostas. Soma-se a isso uma série de outros sentimentos, descritos pelos indivíduos como “tristeza”, “angústia”, “irritabilidade”, “ansiedade” e afins. A despeito das definições diferentes que esses termos adquirem se observados por um critério médico ou psicológico, com o intuito de unificar o vocabulário, chamarei de “angústia” essa sensação compartilhada sobre as incertezas, dificuldades e tristezas que preenchem as vidas em tempos de pandemia. Esses temas surgem em conversas informais (e virtuais, evidentemente) com amigos e também são alvo da atenção de especialistas, sobretudo os da área da saúde. Ilustrando esse fato, utilizando a internet, podem ser encontrados inúmeros “manuais” ou “cartilhas” para lidar com o “medo”, “tristeza” e “angústia” nos tempos atuais.2 Leia mais

#enfrentaroCOVID – 5. Esperança

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Terminei o ensaio anterior dizendo que a pandemia da COVID-19 desafia a humanidade a explorar o que não se sabe, uma vez que a experiência passada não produziu conhecimento suficiente para se desenvolver protocolos totais, completos, para lidar com a novidade radical da propagação do SARS-CoV-2.

Leia mais

A VIDA APÓS PANDEMIA DA COVID-19

por Mariane Dornelas de Araújo de Silva,  aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


Medo, insegurança, ansiedade, luto, essas palavras resumem a atual situação caótica de nosso cotidiano. O isolamento social diante da pandemia da COVID-19 tem impactado significativamente tanto o estado físico quanto o emocional e subjetivo do homem moderno. Momento de crise imprevisível no qual o distanciamento social tem provocado sofrimento psíquico, alterado nossas rotinas, interferido em nossas emoções. As incertezas do amanhã aumentam nosso descontrole emocional diante de uma doença tão grave, nos levando muitas vezes a negar nossa própria condição ou existência. Parece que vivenciamos uma paralização do presente, o esvaziamento do futuro e até mesmo o estranhamento de si.

Leia mais

AUTORREFLEXÃO E AUTOCONHECIMENTO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Fernanda da Silva Sena, aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


A COVID-19 se alastra de forma pandêmica e se revela como um dos maiores desafios da atualidade. Ameaça tudo o que amamos, veneramos e que dá significado a nossas vidas. O isolamento social não apenas nos obriga ao distanciamento físico, mas especialmente ao afastamento dos amigos, parentes próximos, dos espaços de socialização e lazer. Impõe-nos ainda longo tempo de solidão, forçando-nos a um processo de autorreflexão. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

A partilha da dor em tempos de pandemia

por Monalisa Espíndola, mestranda em Antropologia (NOVA FCSH)


Província de Hubei, Wuhan, China. Em meados de dezembro a notícia da existência de um novo e perigoso vírus soava-me tão distante quanto a localização geográfica da origem do primeiro epicentro. No inverno português, a passar frio mesmo dentro do apartamento (afinal vim do litoral do nordeste brasileiro, onde um sopro fresco parece um ar-condicionado no máximo), com saudades de casa, da família, finalmente pude receber alguns familiares para cearmos juntos no Natal e no Ano Novo. Passei algumas semanas bastante dodói, e tive a sorte de ser cuidada pela minha mãe. Foram dias de nirvana ao lado daquela senhora engraçada que me pariu. Sei que para alguns ser mandado à “puta que te pariu” é de grandessíssima ofensa. Eu estava morta de felicidade, e sempre que posso retorno ao seu colo. Pois é, mas confraternizar e poder estar no colo de quem amamos, assumiria uma outra configuração nos meses a seguir. Leia mais

REINVENTANDO O FAZER. AFINAL, COMO ENXERGAR A VIDA PÓS PANDEMIA?

por Ranielly Dornelas de Araújo Paula, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Dormimos em um mundo e acordamos em outro completamente diferente do habitual. De repente abraços e beijos se tornaram armas e distanciar se tornou ato de amor.  A Disney não tem mais o mesmo encanto, magia, beleza, a muralha da China não é mais fortaleza e nosso Cristo redentor clama por todas as pessoas que foram e estão sendo reduzidas a números de óbitos todos os dias, sem nem se quer ter a oportunidade de uma despedida!  São pessoas que, assim como nós, leitores desse texto, eram o amor da vida de outras pessoas, tinham sonhos e objetivos que com certeza não se resumiriam a ser mais um no leito de uma unidade hospitalar. Leia mais

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

Mariquita Iemanjá

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Largo da Mariquita, o “olho do furacão”. O apelido é um pouco exagerado, mas há uma espécie de gargalo em um ponto no qual afluem automóveis por três sentido distintos, o que em horário de pico, congestiona consideravelmente o trânsito. Isto além da conhecida noite do bairro boêmio. Justo nesse largo morei do segundo ao sétimo ano de vida. A pizzaria vapt-vupt, delivery de pizza, como sugere o nome, à esquerda; à direita, a Rio móveis; abaixo, a farmácia Santana e o bar de Ernesto, o português. Acima, só o céu, mas bem longe porque o prédio era bem baixinho. O destaque sonoro era a tampa de esgoto da embasa (a empresa fornecedora de água), solta, a se balançar e estrondar a noite inteira, invariavelmente, todas as noites – bastava passar veículo por sobre. Leia mais