O “império” do corpo e dos sentidos: um desafio para pensar usuários da PrEP no Brasil em tempos de COVID-19

por Vladimir Bezerra, Psicólogo clínico, Doutorando em Saúde Coletiva pelo Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz (IFF-Fiocruz) – Rio de Janeiro, Brasil


A prática clínica em psicologia tem se deparado nos últimos dois anos com alguns casos circunscritos na relação entre os sujeitos, seus corpos, e a profilaxia pré-exposição (PrEP). De modo geral, há certa predominância nas narrativas de uma experiência corporal mais intensa a partir da utilização da PrEP, fator positivo para seus usuários. Leia mais

Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume

por Humberto Martins (CRIA-UMinho/UTAD)


Escrevo menos por agora sobre este tempo estranho. O desconfinamento é também um processo estranho. Desconfinamos e desconfiamos. Muitas dúvidas, muitas questões, muitas incertezas, muita desinformação… (legítimas e admissíveis) incoerências e inconsistências que, em bom rigor, se prendem com ignorâncias múltiplas sobre o que já aconteceu, o que está a acontecer e o que estará por vir. Entre o desejo de ouvir o anúncio do fim da pandemia com o selo de garantia dos espertos (especialistas) e o não saber propriamente no que e em quem acreditar resta um campo imenso de sofríveis ambiguidades. Leio noutros lugares várias teorias da conspiração – em particular sobre a propaganda do medo. Continuar a ler “Etnografia dos nossos dias… estranhos (67) – os suspeitos do costume”

APARTAMENTXS VENTUR (#6) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.

Leia mais

Os infetados

por Marta Maia, investigadora pós-doc (CRIA-ISCTE)


Desde há meses, que me parecem anos, tal não estou eu perdida no tempo que se esvaziou da sua normalidade (normalidade, doce normalidade…), o dia-a-dia é pautado por discursos confusos, notícias angustiantes e imagens assustadoras. “Ninguém escapará ao contágio!” E como escapar ao contágio do pavor e da ansiedade? “Portugueses despedem-se desanimados”. Estaremos mesmo desanimados? “Lisboa é uma “sombra”. Será? A mim parece-me ainda mais bonita sem o ruído das multidões de turistas vagarosos e cidadãos apressados. Leia mais

Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento

por Amélia Frazão-Moreira, Aida Lopes, Alexandra Alinho Barroso, Alexandre Balreira, Alexandre Real, Ana Sofia Pedrosa, Anastasiya Vereha, Andreia Santos, Catarina Ferraz, Cátia Sousa, Clara Vieira, Constança Quaresma, Daniela Gomes, Gadea Claver Barrios, Gonçalo Tomé, Inês Aldeano, Inês Caeiro, Inés La Iglesia Mirones, Inês Osório, Inês Santos, Inés Saiz Álvarez, Joana Farinha, Joana Gusmão, Maria do Rosário Barbosa, Rafaela Nogueira, Raquel Moleiro, Rita Correia, Sara Baptista, Tânia Rodrigues , docente e estudantes de Etnoecologia (licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH)


Podem estar num quintal, num jardim, numa varanda, numa sala ou cozinha… São as plantas das nossas mães, avós, ou lá de casa… povoam o espaço a que estamos confinados. Mas será que as conhecemos? Já pensámos porque estão ali?

Na unidade curricular de Etnoecologia, os trabalhos práticos foram substituídos pela realização de uma descrição, do registo, de um homegarden que estivesse acessível. Alguns relataram o seu próprio homegarden (quiçá, nalgum modismo não virão a falar da invenção da “auto-etnobotânica”!). Procurou-se saber que plantas aí se encontravam e as razões, memórias e emoções dos seus proprietários. Continuar a ler “Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento”

Como Recomeçar?

por Jaciara Fabiane Fernandes Cavalcanti, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Em tempos tão sombrios e de incertezas vemos sonhos se dissipar como fumaça no ar. Nomes são transformados em números, os números da morte. E ela se aproxima cada vez mais veloz e feroz vocifera outro novo e mórbido resultado – o risco da extinção humana. Ficamos a nos perguntar quem será o próximo, quem perderá a batalha? Seguimos em isolamento social por algo invisível, assistindo passivamente o aumento de óbitos em decorrência do Covid-19. A ansiedade aumenta e atormenta, por não sabermos como será o fim, por desconhecer a próxima parada, a estação final de um trem desgovernado, chamado destino. Continuar a ler “Como Recomeçar?”

COVID-19: A Resposta de Natureza?

por Anderson Luis dos Santos, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Ao refletir sobre os benefícios causados pelo isolamento social no que diz respeito ao meio ambiente, percebo que foi declarado liberdade à natureza. O fato torna-se notório quando consideramos notícias como: “O Himalaia fica visível para Índia após quarentena contra o coronavírus derrubar poluição” (Folha de São Paulo, 09.04.2020); ou ainda, “Coronavírus: milhões de tartarugas bebê aproveitam confinamento humano para chegar ao mar” (BBC News Brasil, 14.05.2020). Ou seja, a natureza parece reagir de forma positiva à redução dos impactos ambientais promovidos pelo capitalismo e egocentrismo humano. Tais acontecimentos somente se tornaram possíveis graças ao pouco fluxo de pessoas nas ruas e espaços públicos, e da consequente diminuição da poluição. Continuar a ler “COVID-19: A Resposta de Natureza?”

APARTAMENTXS VENTUR (#5) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.

Leia mais

Suspensão social

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA). Fotógrafo. Artista sonoro (criação)


Assumindo o caráter subjetivo/ objetivo da produção etnográfica, busco, a partir de estratagemas ficcionais, comunicar estados emocionais e psíquicos envoltos pelo fazer etnográfico em tempos pandêmicos.
Leia mais

Zoom como dispositivo artístico

por Rita Barreira, doutoranda em Estudos Artísticos- Arte e Mediações (NOVA-FCSH)


O sector da performance portuguesa organizou-se muito rapidamente face à disciplina social do estado de emergência. Os corpos confinados pela COVID-19 provocaram um fenómeno artístico que os situa e reflete com novas condições de produção, em concreto com um espaço digital redimensionado com ou como prática artística. A performance ocupou nos últimos dois meses uma relevância cruzada com o espaço online, com questões levantadas à
nova luz da presença/ausência do público; a localização ou produção de espaço inscrito em coreografia, e, mais ainda, as possibilidades formais dos dispositivos digitais na performance em si. Entre algumas criações que tive oportunidade de assistir em diretos online a partir da minha casa, reservei a primeira de todas para esta série do blogue Confinarias. Leia mais

TODOS SOMOS HERÓIS

por Sintilla Abreu Bastos Cartaxo, Mestranda em Sociologia Política na UENF (Universidade Estadual Norte Fluminense)


Em tempos de pandemia quase todos os dias a salva de palma tem sido destinada aos profissionais de saúde. Atuo na área de saúde e fiquei feliz demais, o peito cheio de orgulho, enfim a sociedade reconhece nosso valor. Leia mais

Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 2. Confinados

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Saltando as barreiras entre as espécies, o SARS-CoV-2 rapidamente propagou a sua atividade desde o nível mais microscópico das estruturas da quase-vida até ao nível mais macroscópico da biosfera, ajudando a evidenciar os efeitos da ação humana sobre o clima, por exemplo. A proliferação feroz do SARS-CoV-2 provocou e continua a provocar alterações na arquitetura e nos efeitos do Antropoceno. Leia mais