APARTAMENTXS VENTUR (#3) – uma desenhonovela

por Marco Fagundes Vasconcelos (desenhos), Filipe Ferraz (textos), Mariana Camacho (design)


O artista plástico Marco Fagundes Vasconcelos começou a publicar diariamente estes desenhos no facebook quando iniciou o seu período de confinamento. Filipe Ferraz apropriou-se das obras e acrescentou os textos. Quando enviou a sua versão ao artista, ele não demonstrou grande entusiasmo. Mas não se opõe à publicação. A atitude pode ser considerada de elevada cordialidade.


[ hoje publicamos a 3ª prancha. Veja a e a ]

Leia mais

Tocqueville, o Interesse Bem Compreendido e #Fiqueemcasa: observações sobre controle epidemiológico e democracia no Brasil[1]

por Helena Bomeny (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)e Maria Claudia Coelho (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)


Em 1835, Alexis de Tocqueville publicou Democracia na América. Nessa obra, propõe o conceito de “interesse bem compreendido”, com o qual designa aquilo que, do ponto de vista da relação entre interesse individual e bem comum, lhe parece ser um atributo singular dos EUA. Nessa doutrina, bem-estar individual e bem-estar de todos se conjugam, e sua eficácia reside em voltar “o interesse pessoal contra ele mesmo”. Leia mais

Pandemia, alteridade e autoetnografia

por Marina Ramos Neves de Castro, professora do programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, UFPA, Belém-Pará (Brasil)


Como cuidar de nossa saúde mental em tempos de pandemia? Como manter projetos, sustentar reflexões e engajamentos em tempos de pandemia? O que é uma pandemia para a construção das subjetividades e da  intersubjetividade? Daquilo que nos molda os pensamentos e os sentimentos e comandam, sub-repticiamente nossas ações? Leia mais

O triste som da vida “normal”

por Kátia Favilla, doutoranda em Antropologia, ICS-ULisboa


Primeiro era o som. A vida corria com os dias, o despertar ao som de pássaros, a rua que acordava aos poucos, pessoas correndo, andando, os carros, motos. Em um suspiro, a respiração quase faltou, o silêncio, o medo. Leia mais

Notas confinadas

por Caio Rotta Bradbury Novaes, doutorado em Antropologia (CRIA-NOVA FCSH)


Madrid, abril de 2020. Todos os dias, pontualmente às 20h, os vizinhos dos prédios ao redor iniciam o “ritual das palmas” nas janelas e varandas desde o início da quarentena. Acompanhando as palmas, os gritos de “uh huu!” e “olé!” rendem uma homenagem à todos os trabalhadores que mantém suas atividades durante a pandemia. Preparar as avaliações online da Universidade me ajudam a manter algum sentido de normalidade social. Leia mais

Portas fechadas

por Cristiana Vale Pires, investigadora no CRIA e no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


“Os ricos ficam menos ricos e os pobres ficam mais pobres”, comenta banalmente um senhor de máscara no queixo para a colaborador de uma oficina no outro lado da rua. A verdade desta frase continua a ecoar na minha cabeça. Leia mais

ETNOGRAFIA DOS NOSSOS DIAS… ESTRANHOS (28) – janela indiscreta

por Humberto Martins (CRIA-UMinho | UTAD)


É lento o gesto. Cobre os olhos, mexe-se devagar. Está de roupão cinza claro, despenteada; apanha o sol que agora lhe proíbem lá fora. Falo de Maria, mulher dos seus oitenta anos. Nome que lhe imagino. Não a conheço. Já nela tinha reparado antes, sem, no entanto, lhe prestar a atenção que agora lhe dou. Parece incomodada, debruça-se sobre o parapeito do muro de sua varanda (no primeiro andar do prédio em frente ao meu). Parece que vai cair. Lá afasta um pombo que insiste em empoleirar-se no muro, e olha para baixo. Volta a sentar-se e cobre de novo o rosto, para evitar um sol incomodativo. Leia mais

NOVAS JANELAS URBANAS?

por Epitacio Nunes de Souza Neto, Doutorado em Psicologia  pela Universidad del Salvador–USAL (Buenos Aires, Argentina), Professor de Psicologia na Faculdade de Integração do Sertão – FIS (Pernambuco, Brasil)


As janelas já não revelam cidades, apenas suas partes. Realidades sufocadas em paredes opressoras, enquadradas por molduras metálicas ou madeira velha, enubladas em vidraças sujas. A convivência contida, tal como as emoções diante de algo invisível e funesto. A suposta superioridade do homem, rotulada de racionalidade, está à prova em pleno século das tecnologias avançadas. Suas debilidades e fraquezas estão expostas em vazados de concreto que se acendem e apagam, revelando nuanças, tons, sutilezas e particularidades das vidas privadas, cotidianos antes sem importância ou valor. Como os semáforos, suas cores e luzes já não indicam movimentos. Estes foram cessados sem aviso prévio. Não se vai ou se vem. Não se corre mais porque não há pressa das cidades. Leia mais

COVID-19 e o discurso científico

por Helmut Paulus Kleinsorgen, doutorando em Antropologia Social na UFRJ- PPGSA (Brasil)


A partir da classificação da epidemia do coronavirus como uma pandemia, as diferentes narrativas institucionais adotadas por cada país em resposta ao alerta da OMS agruparam um vasto espectro de convicções políticas regionais em dois grandes times mundiais: aqueles que privilegiam o discurso científico hegemônico simbolizado pela própria OMS e, do outro lado da arquibancada, todos os demais que se permitem apostar nas mais variadas suposições e fontes de informação. Leia mais

Cotidiano em tempo de quarentena

por Caterine Reginensi, antropóloga, Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf-RJ) e Gabrielle Rocha, arquiteta e urbanista


Campos dos Goytacazes (Rio de Janeiro, Brasil), Março/Abril de 2020.

Escritos extra-ordinários na cidade à espera

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


Por detrás de cada aviso, mensagem ou desenho afixado na vitrine*, na porta, na janela ou entrada de loja ou prédio, há mãos que teclaram, escreveram e desenharam. Pelo seu próprio punho. Por detrás de cada aviso, mensagem ou desenho há pessoas que viram, de súbito, as suas vidas mudar. Por detrás destes escritos extra-ordinários (lembrando e glosando a noção de “écritures ordinaires” de Daniel Fabre et al) há vidas suspensas. Pequenos negócios ligados ao respirador, patrões e gerentes espreitando oportunidades, trabalhadores e trabalhadoras em asfixia, crianças confinadas com as suas famílias, estafetas “uberizados” a entregar comida.

 

[ clique nas imagens para aumentar ]

Leia mais

(PARA) LÁ DO/NO ECRÃ ESPOLETA A PRIMAVERA

por Joana Martins, doutoranda em Antropologia (CRIA-ISCTE)


Sentada à secretária, vou levantando os olhos do ecrã e olhando para as plantas no parapeito da janela. As orquídeas estão a crescer saudáveis. A cada dia noto que, numa delas, os botões que darão flor estão cada vez maiores. A mais recente, que para aqui veio em flor, já as perde, mas tem novos botões a crescer. Uma não sabe se morre, se continua a sua jornada. O pé de bambu está vistoso, com novas folhas a crescerem mesmo dentro do frasco. Decidi que o vou deixar estar. Ele lá sabe o que está a fazer. De qualquer forma, tem uma bruxa a guardá-lo. As suculentas estão felizes a crescer. Mas essas, com um pouco de água e um lugar quente, estão felizes. Leia mais