Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação. Leia mais

EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Leia mais

CONVERSA DE BOTAS BATIDAS

por Ana Eduarda Diehl, Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná


Até outro dia estávamos passando comida por baixo da porta,
mas o cansaço dos dias tão iguais nos torna torpes ou talvez mais
distraídos.

Não foi bem uma determinação de romper a quarentena,
simplesmente aconteceu, e foi na metade do caminho que caí em mim:
estávamos a caminho cemitério em meio a uma pandemia. Leia mais

Margaret Mead e James Baldwin

por Rita Cachado, PhD em Antropologia, investigadora do CIES-ISCTE


Li Racismo ao Vivo dias antes do início da declaração da OMS sobre a pandemia COVID, um tempo alargado onde o racismo viria a estar na ordem do dia em todo o mundo a partir de finais de maio. Mais do que spoiler, partilho sensações.

O livro é a transcrição de conversas entre Margaret Mead e James Baldwin, em 1973[1]. Margaret Mead viria também a ser lembrada na pandemia, no discurso de Tolentino Mendonça no dia de Portugal, por uma sua tirada sobre o que definia o humano – que tinham achado um fémur sarado, revelando que o cuidado distinguia o humano dos restantes animais. A prestação de Mead nas conversas do livro referido é, contudo, algo constrangedora para antropólogos que lêem este livro hoje.

Leia mais

Antropologia de máscara

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A máscara é uma apresentação. Seja esta apenas do rosto ou de todo o corpo, a máscara é  um ato de expressão antes da elocução. As máscaras ocultam mas na mesma ação em que omitem simultaneamente revelam, porque simbolizam. Ao dissociar o indivíduo de uma personalidade e impondo uma identidade, mais do que a cara, a máscara é um agente social. Leia mais

A VIDA APÓS PANDEMIA DA COVID-19

por Mariane Dornelas de Araújo de Silva,  aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


Medo, insegurança, ansiedade, luto, essas palavras resumem a atual situação caótica de nosso cotidiano. O isolamento social diante da pandemia da COVID-19 tem impactado significativamente tanto o estado físico quanto o emocional e subjetivo do homem moderno. Momento de crise imprevisível no qual o distanciamento social tem provocado sofrimento psíquico, alterado nossas rotinas, interferido em nossas emoções. As incertezas do amanhã aumentam nosso descontrole emocional diante de uma doença tão grave, nos levando muitas vezes a negar nossa própria condição ou existência. Parece que vivenciamos uma paralização do presente, o esvaziamento do futuro e até mesmo o estranhamento de si.

Leia mais

AUTORREFLEXÃO E AUTOCONHECIMENTO EM TEMPOS DE PANDEMIA

por Fernanda da Silva Sena, aluna do curso de Psicologia, UNISÃOMIGUEL


A COVID-19 se alastra de forma pandêmica e se revela como um dos maiores desafios da atualidade. Ameaça tudo o que amamos, veneramos e que dá significado a nossas vidas. O isolamento social não apenas nos obriga ao distanciamento físico, mas especialmente ao afastamento dos amigos, parentes próximos, dos espaços de socialização e lazer. Impõe-nos ainda longo tempo de solidão, forçando-nos a um processo de autorreflexão. Leia mais

A partilha da dor em tempos de pandemia

por Monalisa Espíndola, mestranda em Antropologia (NOVA FCSH)


Província de Hubei, Wuhan, China. Em meados de dezembro a notícia da existência de um novo e perigoso vírus soava-me tão distante quanto a localização geográfica da origem do primeiro epicentro. No inverno português, a passar frio mesmo dentro do apartamento (afinal vim do litoral do nordeste brasileiro, onde um sopro fresco parece um ar-condicionado no máximo), com saudades de casa, da família, finalmente pude receber alguns familiares para cearmos juntos no Natal e no Ano Novo. Passei algumas semanas bastante dodói, e tive a sorte de ser cuidada pela minha mãe. Foram dias de nirvana ao lado daquela senhora engraçada que me pariu. Sei que para alguns ser mandado à “puta que te pariu” é de grandessíssima ofensa. Eu estava morta de felicidade, e sempre que posso retorno ao seu colo. Pois é, mas confraternizar e poder estar no colo de quem amamos, assumiria uma outra configuração nos meses a seguir. Leia mais

REINVENTANDO O FAZER. AFINAL, COMO ENXERGAR A VIDA PÓS PANDEMIA?

por Ranielly Dornelas de Araújo Paula, estudante de Psicologia (Centro Universitário UNISÃOMIGUEL, Pernambuco/Brasil)


Dormimos em um mundo e acordamos em outro completamente diferente do habitual. De repente abraços e beijos se tornaram armas e distanciar se tornou ato de amor.  A Disney não tem mais o mesmo encanto, magia, beleza, a muralha da China não é mais fortaleza e nosso Cristo redentor clama por todas as pessoas que foram e estão sendo reduzidas a números de óbitos todos os dias, sem nem se quer ter a oportunidade de uma despedida!  São pessoas que, assim como nós, leitores desse texto, eram o amor da vida de outras pessoas, tinham sonhos e objetivos que com certeza não se resumiriam a ser mais um no leito de uma unidade hospitalar. Leia mais

Mariquita Iemanjá

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Largo da Mariquita, o “olho do furacão”. O apelido é um pouco exagerado, mas há uma espécie de gargalo em um ponto no qual afluem automóveis por três sentido distintos, o que em horário de pico, congestiona consideravelmente o trânsito. Isto além da conhecida noite do bairro boêmio. Justo nesse largo morei do segundo ao sétimo ano de vida. A pizzaria vapt-vupt, delivery de pizza, como sugere o nome, à esquerda; à direita, a Rio móveis; abaixo, a farmácia Santana e o bar de Ernesto, o português. Acima, só o céu, mas bem longe porque o prédio era bem baixinho. O destaque sonoro era a tampa de esgoto da embasa (a empresa fornecedora de água), solta, a se balançar e estrondar a noite inteira, invariavelmente, todas as noites – bastava passar veículo por sobre. Leia mais

Verbete pandémico

por Francisco Freire, PhD em Antropologia (NOVA FCSH), investigador do CRIA-NOVA FCSH, PI do projeto ERC CAPSHARA


Contra a espectativa de alguns agoirentos animais, avançamos, sem rebuço (como nos diz o estado), para uma primavera de mera calamidade. As liberdades e garantias estão de volta! A constituição, apoiada pela distribuição de máscaras e viseiras, volta a reger os destinos de uma turba animada com a possibilidade de voltar ao posto de trabalho e de rapidamente se despir em calientes areais. Leia mais

O pandemónio da ciência: ruídos e silêncios

por Vasco Gil Calado, PhD em Antropologia (ISCTE) e investigador no SICAD


Não há dúvida que vivemos tempos de afirmação da ciência em geral e das biociências em particular. Tanto quanto me lembro, nunca como agora lhes foi dada tanta importância e jamais os avanços tecnológicos foram vistos como absolutamente cruciais, incluindo, para alguns, como o garante da sobrevivência da espécie, sob ameaça de um vírus desconhecido. Ler mais

Desconfinamento: reabertura das “lojas chinesas”

por Henrique Chaves (CICS.NOVA-FCSH)


No dia 18 de maio, a lojinha que vende um bocadinho de tudo, vulgarmente chamada de “loja chinesa”, que fica aqui pertinho da minha casa, reabriu. Precisava de passar por lá para ver uma série de coisinhas, aquelas que em conjunto e ao pé de casa só encontramos nestas lojas.

Leia mais