DERIVA COTIDIANA | Vida de Apartamento

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil


O antropólogo francês Michel Agier defende em um de seus livros (Encontros Etnográficos – contexto, interação, comparação, 2015), e concordo com ele, que “Não existe etnólogo sem uma partida, sem sair de casa e ir olhar o mundo […]”. Em tempos de circulação controlada de pessoas, coisas e mercadorias, esse movimento de pesquisa, orientado por princípios como o de “Olhar, Ouvir e Escrever” – para lembrar os ensinamentos do antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira -, se mostra um tanto quanto complicado. Leia mais

ÁUDIO-CONFINAMENTOS: sons mundanos, canções e pandemia

por Filipe Reis (CRIA-ISCTE)


No início do meu confinamento, publiquei na minha página de Facebook um pequeno texto que tinha como epígrafe uma frase retirada do livro The Tuning of the World de Murray Shafer: “as fábricas mataram as canções”. O motivo para a evocação dessa frase estava nas imagens que então corriam o mundo, via televisão e redes sociais, de vizinhos de bairro em Itália (inicialmente em Nápoles e depois em outras cidades) assomando às suas varandas para cantar coletivamente. Leia mais