Pets. Interações com companheiros de confinamento… não-humanos

por

Amélia Frazão-Moreira (CRIA-NOVA FCSH), Alexandre Fernandes, Catarina Fontes, Jessica Fuzeiro, Joana Silva, João Teixeira, Liliana Maria, Maria Taveira, Matilde Valentim, Mónica Costa, Patrícia Reis, Rafael Correia, Rita Grilo, Rúben Ferreira, Valeria Farina, Valter Santos, Vítor Pinto. Docente e estudantes de Etnoecologia. Licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH. 2021.


É família. É amor. É cumplicidade.

Estas são expressões que descrevem a relação com os pets, animais “de estimação” ou “de companhia”, e que foram escutadas no decorrer de entrevistas realizadas online pelos estudantes de Etnoecologia, no segundo período de confinamento pandémico (2021). Quinze interlocutores (10 mulheres e 5 homens), com idades entre os 19 e os 56 anos, residentes em diferentes regiões de Portugal, mas também em França, Reino Unido, Brasil e Ucrânia, falaram das vivências com os seus cães, gatos, aves, tartarugas… 

Por curiosidade, em 2017, 55% dos lares em Portugal teriam pelo menos um animal de companhia (dados do estudo de mercado “Track 2 Pets” da empresa GfK), em média 2,3 animais por lar, sendo que cerca 41% do total dos animais eram cães, 22% gatos, 19% pássaros, 11% peixes e 6% outro tipo de animais. É expectável que o número, pelo menos de lares com cães, tenha aumentado com a pandemia.

Neste trabalho, ficámos a conhecer um pouco dessa realidade. Em concreto, 4 cadelas, 4 cães, 1 caturra, 10 gatas, 7 gatos, 1 porquinho-da-Índia e 1 tartaruga: Madalena, Rufi, Matilde, Mia, Mateus, Marineidji, Zezito… Nomes humanos (15 dos nomes dos 28 animais), alguns dos quais de personalidades históricas, como Gandhi, Mozart, Sinatra, ou ficcionais, como Poirot. E finalmente nomes divertidos, entre eles, a cadela Bolacha (Maria), as gatas Pepper e Salt, o cão Mysha (rato em ucraniano), o gato com nome de personagem felino animado, Garfield, e a gata Periwinkle, com nome de fada dum filme da Disney. Ou, no caso do gato Tuga, com um nome que é assumidamente simbólico, pois representa e lembra Portugal à sua dona, a viver em Paris. Ter um nome incorpora simbolicamente um animal não humano na esfera doméstica humana (como sintetiza de DeMello, 2012). Historicamente, na Europa, a tendência para dar nomes humanos aos animais de estimação tornou-se muito pronunciada no século XVIII e essa mudança foi indicativa de uma ligação mais estreita entre o animal de estimação e o proprietário (Thomas, 1991: 66).

Os entrevistados confirmam o que nos diz a literatura; a sua ligação com os pets é tão estreita como com qualquer membro da família. Nas suas próprias palavras, de um jovem que tem uma tartaruga e de uma senhora com vários animais: É sinal de casa, ela (tartaruga) não faz barulho, mas é um sinal de casa quando a vejo (…) é uma amiga ou uma irmãzinha que tenho ali; Os meus gatos e a Dama (cadela) são como família para mim, quase como filhos. Fico muito preocupada que lhes aconteça algo mau. Penso neles todos os dias quando estou longe de casa… 

Dando visibilidade pública às relações emocionais com os seus pets, alguns entrevistados publicam as suas fotos nas redes sociais, embora sem terem propriamente criado páginas específicas em nome deles. Mas é unanime a procura de imagens de outros animais de companhia, cães ou gatos, na internet, fundamentando-a pelo facto de serem engraçadas, inspiradoras ou “fofinhas”. 

Diríamos que as relações com os pets seguem um processo de antropomorfização ou humanização. Animais são como “pessoas”, reconhecidos pelas suas personalidades e particularidades individuais e pela sua agência (e.g. Fox, 2006). As respostas dos entrevistados ilustram como um animal de estimação normalmente é amado como uma criatura individual, distinta de noção de espécie ou de qualquer outra categoria, pois “a pet is a pet first, an animal second” (Fudge, 2002: 32). Isto enfim pode-nos remeter para discussões teóricas em torno dos conceitos e das fronteiras entre “pessoa”, “animal”… e acerca das razões da necessidade, afinal ancestral, de os humanos terem animais de estimação. Fiquemos aqui pela perspetiva de Haraway (2003: 35-6): as relações de amor, a busca permanente do conhecimento do outro íntimo e os inevitáveis erros cómicos e trágicos nessa demanda, merecem respeito, quer o outro seja animal ou humano (ou mesmo inanimado, na posição da autora).

As rotinas e interações dos entrevistados com os seus animais de companhia passam pelas práticas de cuidado, ligadas à alimentação e saúde, pelos passeios e pelas brincadeiras. As casas não têm zonas que lhes sejam interditas, com raras exceções em que os quartos são interditos a cães ou gatos. A alimentação dos pets é, em quase todos os lares (para 27 dos 28 entrevistados), realizada à base de rações adequadas aos tipos e às situações específicas dos animais (idade ou problemas de saúde) e pontuada por alguns “mimos” ou petiscos menos saudáveis, por exemplo, assinalando dias especiais. Em muitas das brincadeiras estão presentes brinquedos comprados propositadamente. Fica patente das descrições escutadas, a importância da grande indústria e comércio de produtos dirigidos aos animais de companhia (estima-se que, em 2019, os portugueses gastaram cerca de 500 milhões de euros por ano só em alimentação para cães e gatos; dados da Associação Portuguesa de Comerciantes de Produtos para Animais de Companhia). As despesas com os membros não humanos dos agregados domésticos, realizadas sobretudo na compra de alimentação e nas consultas de veterinário, rondam cerca de 5% dos rendimentos dos entrevistados, podendo chegar aos 10 ou 20% em algumas das casas (no estudo GfK, em 2017, a média era de 12% dos rendimentos dos agregados familiares).

E no confinamento? Para aqueles que ficaram a trabalhar em casa a interação com os seus pets intensificou-se, tornou-se mais permanente. Para todos, a presença dos animais ajudou a ultrapassar esta fase difícil, como foi relatado: (a cadela) foi uma enorme companhia e uma fonte de alegria, alguém para brincar e aliviar momentos mais tristes e tensos; (o cão) foi um grande apoio para a saúde mental e benéfico para ambos; a sua (da gata) presença ajuda muito a me sentir mais animada, tamanha é a fofura e inocência da gatinha… Os animais fizeram companhia e evitaram a solidão. Já que “pets, it is clear, do things. They can influence our behavior, affect our emotions, and even impact our health” (DeMello, 2012: 159).

31 de maio 2021 

DeMello, M. (2012) “The pet animal” in Animals and society: An introduction to human-animal studies, New York: Columbia University Press, 146-169.

Fox, R. (2006) “Animal behaviours, post-human lives: Everyday negotiations of the animal–human divide in pet-keeping”, Social & Cultural Geography, 7(4), 525-537.

Fudge, E. (2002) Animal, London: Reaktion.

Haraway, D. (2003) The companion species manifesto: Dogs, people, and significant otherness, Chicago: Prickly Paradigm Press.

Thomas, K. (1991) Man and the natural world: Changing attitudes in England 1500-1800, London: Penguin.

Fotografia da capa: DR

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19 (parte 2)

por Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF),  Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA), Fernanda Sthel (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Letícia Crisóstomo (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Sulamita Ribeiro (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Igor Souza (Graduando em Ciências Sociais, UENF/CCH)


Nesta Parte 2, apresentamos em imagens e palavras os maneirismos e as invenções possíveis cotidianas, no sentido de De Certeau (2013, 2014), para nos referirmos aos momentos e lugares da cotidianidade de estudantes* em período de medidas restritivas – quarentena, distanciamento e isolamento social – que habitam cidades médias e pequenas situadas, no estado do Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Leia mais

Desigualdades e contrastes socioeconômicos em tempos de pandemia

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Dissolvidas as divisas entre o interno e o externo (dentro e fora), portas e portões já não há. O olhar perpassa os espaços internos, atravessa interiores, alcança áreas externas além das pequenas divisórias; um giro pelas laterais, teto e solo: porções anterior, laterais, superior, inferior, posteriores … das ruínas alegóricas, ambulantes metamorfoses de cimento e ferro, concreto armado, emblema dos processos de ocupação de imóveis ociosos. Espaços frequentados por perambulantes diurnos e noturnos que deixam seus rastros sobre os rastros do tempo notáveis nas estruturas em sedimentação… Leia mais

PLAYTIME 2020

por Mariana Camacho, gestora de ciência (CRIA), cantora.


1.
28 de fevereiro de 2020

img. da autora

Este foi o post que escrevi no Facebook da última vez que fui à Madeira, no universo pré-confinamento. Estávamos a 27 de fevereiro de 2020 e o Covid ainda era uma piada.
Leia mais

Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade”

por Cristiana Vale Pires,  PhD em Antropologia, investigadora no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


A ameaça do vírus persiste, mas não é suficiente para impedir a ocupação de espaço público por aqueles/as que têm vivido à margem da branquitude capitalista. Leia mais

Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19 Leia mais

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19

por Igor Gonçalves Pereira (Graduando em História, ESR-UFF), Aline Ferreira de Azevedo Cruz (Arquiteta e Urbanista), Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF), Larissa dos Santos Silva (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Débora Monteiro de Souza Sales (Graduanda em Administração Pública, UENF/CCH), Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA)


Apresentação

Com a campanha #Fiqueemcasa, a casa adquire centralidade e atenção pública no contexto da pandemia  COVID-19. Geralmente, a casa é vista apenas como o invólucro arquitetônico, do lugar do descanso e da vida doméstica, a moradia, para além dessas definições, torna-se o palco em que os homens voltam-se para o íntimo e se projetam para o espaço público (BREVIGLIERI, 2002).

Leia mais

Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento

por Amélia Frazão-Moreira, Aida Lopes, Alexandra Alinho Barroso, Alexandre Balreira, Alexandre Real, Ana Sofia Pedrosa, Anastasiya Vereha, Andreia Santos, Catarina Ferraz, Cátia Sousa, Clara Vieira, Constança Quaresma, Daniela Gomes, Gadea Claver Barrios, Gonçalo Tomé, Inês Aldeano, Inês Caeiro, Inés La Iglesia Mirones, Inês Osório, Inês Santos, Inés Saiz Álvarez, Joana Farinha, Joana Gusmão, Maria do Rosário Barbosa, Rafaela Nogueira, Raquel Moleiro, Rita Correia, Sara Baptista, Tânia Rodrigues , docente e estudantes de Etnoecologia (licenciatura em Antropologia, NOVA FCSH)


Podem estar num quintal, num jardim, numa varanda, numa sala ou cozinha… São as plantas das nossas mães, avós, ou lá de casa… povoam o espaço a que estamos confinados. Mas será que as conhecemos? Já pensámos porque estão ali?

Na unidade curricular de Etnoecologia, os trabalhos práticos foram substituídos pela realização de uma descrição, do registo, de um homegarden que estivesse acessível. Alguns relataram o seu próprio homegarden (quiçá, nalgum modismo não virão a falar da invenção da “auto-etnobotânica”!). Procurou-se saber que plantas aí se encontravam e as razões, memórias e emoções dos seus proprietários. Continuar a ler “Homegardens – quintais, hortas, jardins, canteiros, vasos… Plantas companheiras no confinamento”

Suspensão social

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA). Fotógrafo. Artista sonoro (criação)


Assumindo o caráter subjetivo/ objetivo da produção etnográfica, busco, a partir de estratagemas ficcionais, comunicar estados emocionais e psíquicos envoltos pelo fazer etnográfico em tempos pandêmicos.
Leia mais

Sem liberdade de “ir e vir” mas de permanecer

por Adriana Dutra, Antenora Siqueira, Caterine Reginensi, Dines Rangel, Flavia Alvarenga, Franciele Alvarenga, Pollyana Pimentel


TEXTO INTRODUTIVO

Este texto tem origem a partir da realização de duas oficinas de planejamento de um Photovoice. O método deveria ser experimentado com jovens atingidos pelas enchentes, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, mas a pandemia do coronavírus obrigou-nos à uma mudança de rumo, levando a uma reflexão coletiva sobre a vida em tempos de distanciamento social. As oficinas aconteceram via Skype, no mês de abril. A quarentena no estado do Rio de Janeiro teve início em março. Assim, de uma apresentação teórica à uma parte prática se elaborou a pergunta: como se organiza nosso cotidiano em tempo de coronavírus? As sete participantes foram convidadas a produzirem imagens que refletissem esse momento singular que estamos experimentando. As imagens produzidas foram compartilhadas juntamente com um texto que lhe desse sentido, revelando vozes.

Cada uma, à sua maneira, elencou um espaço, um hábito, uma experiência. Observou-se que o isolamento social trouxe também oportunidades e descobertas, uma nova relação com o tempo, com as pessoas próximas e distantes, bem como consigo mesmo, de forma singular. Leia mais

Já as paredes têm voz

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Durante semanas a cidade enclausurou-se. Como no poema de Konstantíno Kaváfis, «À espera dos bárbaros», o invasor parecia ter ocupado praças e ruas mesmo antes de ter chegado. As vozes que sobravam acantonavam-se nas filas do supermercado e da farmácia, para além das que nos chegavam de amigos distantes ou próximos graças à tecnologia. O resto eram novas e velhas sonoridades que se destacavam no silêncio: o trinar dos pássaros ou o rodado de um carro singular em vias rápidas onde a circulação costumava ser constante. Os avisos de suspensão da vida comum enchiam montras comerciais, e esses cartazes, alguns banais e outros surpreendentes, hão de ser um dos sinais materiais que perdurarão desta pandemia, guardados em fotos, ou talvez na arca sem fundo de algum colecionador que se lembre de os recolher. Leia mais

Trocas em tempos de pandemia

por Micol Brazzabeni, PhD (Università di Firenze, Itália), investigadora sénior (CRIA-ISCTE)


Os dias seguem-se aparentemente iguais em tempos de “confinamento”.

As rotinas proporcionam alguma forma insólita de resistência.

Dentro da rotina, outras rotinas improvisam-se. Um colega e amigo desafia-me a fotografar, sem tema específico, todos os dias. Todos os dias, uma rotina para resistir, pensei eu. Uma “ideia para adiar o fim do mundo” (Krenak, 2019).

Leia mais

DERIVA COTIDIANA | Dia-a-Dia, Outono I

por Rafael F. A. Bezzon, doutorando em Ciências Sociais  da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil

“Tenho apenas duas mãos  e o sentimento do mundo, […]”
(Carlos Drummond de Andrade)

Certa vez, assistindo a um documentário do poeta Paulo Leminski no Youtube, “A Ervilha da Fantasia” (1985) – com direção de Werner Schumann -, me deparei com a seguinte frase: “(…) É através da loucura dos poetas, através da ruptura que eles representam que a sociedade respira.” Leia mais