MÁSCARAS COVID-19 E OUTRAS MÁSCARAS

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Podemos reconhecer na máscara – abordada a partir de uma perspetiva “cross cultural” – um conjunto de sentidos. Um deles prende-se com a sua capacidade de presentificação de entidades não humanas – geralmente entidades espirituais – por intermédio de personagens mascarados. Estes são percebidos como sendo as próprias entidades espirituais, que se fazem assim presentes. É esse o significado de muitas máscaras em diversas sociedades tradicionais, da Papua Nova Guiné à Amazónia ou a África. Um segundo significado que muitas máscaras assumem é um significado, não tanto de presentificação, mas de representação.  É que se passa com máscaras que representam entidades – humanas, animais, personagens de comics, etc. – que tanto os mascarados como a sua audiência sabem que são representações – mais ou menos conseguidas, com maior ou menor capacidade de criar a ilusão de uma outra presença, mas sempre representações. É esse o caso de muitas máscaras de carnaval ou – para dar um exemplo mais recente – de máscaras usadas em eventos de cosplay. Finalmente, as máscaras têm um sentido de mera ocultação da identidade – mais evidente nas máscaras venezianas ou em máscaras mais ou menos “neutras” de carnaval.

Pode-se argumentar que nas sociedades do Norte global, a máscara perdeu generalizadamente o seu valor de presentificação, mesmo em comunidades onde podemos presumir que outrora tiveram esse valor. É que se passa em Portugal, com as máscaras associadas ao ciclo dos doze dias (estudadas por antropólogos como Benjamim Pereira, Paula Godinho, Paulo Raposo ou Miguel Vale de Almeida). Essas máscaras – como sugeriu Benjamim Pereira – provavelmente começaram por ter um sentido de presentificação, que, entretanto, perderam, oscilando hoje entre a representação e a mera ocultação da identidade.

Leia mais

A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país. Leia mais

A morte que vivemos: reflexões sobre a angústia em tempos de pandemia1.

por Pedro Barboza, doutorando em Ciências Sociais pelo Programa e Pós-Graduação em Ciências Sociais/UERJ


Um dos sintomas sociais mais destacados nos tempos da pandemia provocada pelo novo coronavírus é a sensação de não saber lidar com as rotinas que nos são impostas. Soma-se a isso uma série de outros sentimentos, descritos pelos indivíduos como “tristeza”, “angústia”, “irritabilidade”, “ansiedade” e afins. A despeito das definições diferentes que esses termos adquirem se observados por um critério médico ou psicológico, com o intuito de unificar o vocabulário, chamarei de “angústia” essa sensação compartilhada sobre as incertezas, dificuldades e tristezas que preenchem as vidas em tempos de pandemia. Esses temas surgem em conversas informais (e virtuais, evidentemente) com amigos e também são alvo da atenção de especialistas, sobretudo os da área da saúde. Ilustrando esse fato, utilizando a internet, podem ser encontrados inúmeros “manuais” ou “cartilhas” para lidar com o “medo”, “tristeza” e “angústia” nos tempos atuais.2 Leia mais

#enfrentaroCOVID – 5. Esperança

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Terminei o ensaio anterior dizendo que a pandemia da COVID-19 desafia a humanidade a explorar o que não se sabe, uma vez que a experiência passada não produziu conhecimento suficiente para se desenvolver protocolos totais, completos, para lidar com a novidade radical da propagação do SARS-CoV-2.

Leia mais

#enfrentaroCOVID – 4. Medos

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Figura 1. Cena retirada do filme “O Cavalo de Turim”, de Béla Tarr e Ágnes Hranitzky

A maior parte dos depoimentos dos participantes na twitenografia sobre como enfrentar a COVID-19 aludem direta ou indiretamente ao medo. No total, foram registadas mais de sete dezenas de eventos em que essas alusões apareciam. O objetivo deste ensaio é apresentar os riscos associados à pandemia da COVID-19 percebidos pelos participantes na twitenografia. Num ponto prévio, como mote, falo sobre a geografia do medo. Em seguida, apresento as perceções dos informantes sobre os riscos associados à pandemia, arrumando-as em quatro categorias: a perceção do medo pela saúde, a perceção do medo da morte, a perceção do medo do abandono e a perceção do medo pelo futuro. Acabo o ensaio com uma breve reflexão sobre as marcas da pandemia e sobre a eventualidade de a perceção de um risco global para a humanidade poder contribuir para a assunção de um ‘momento cosmopolita’.[1]

Leia mais

#enfrentaroCOVID – 3. Communitas

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Não será decerto descabido olhar para o período de confinamento como sendo uma passagem entre a vida normal e a vida pós-normal, ou entre o velho normal e o novo normal. Neste percurso, as fases dos ritos de passagem descritas por Arnold Van Gennep – separação, liminaridade e reagregação[1] – e esquematizadas no diagrama mostrado acima são facilmente discerníveis. Por exemplo, alguns profissionais das atividades tidas por não fundamentais para debelar a pandemia da COVID-19 ou para manter os serviços essenciais a funcionar foram desinvestidos do seu estatuto de agentes economicamente úteis e impelidos a projetar a sua vida em função das repercussões incertas do lay off, tendo, em muitos casos, que recorrer a medidas de apoio e de segurança social. Neste exemplo, o desinvestimento de estatuto separa estes profissionais dos profissionais de plena participação (o seu anterior estatuto), colocando-os num plano de liminaridade durante o qual são incitados a explorar as possibilidades de readquirirem a participação plena e eventualmente serem reagregados (incorporação num novo estatuto).

Leia mais

#enfrentaroCOVID – 2. Confinados

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Saltando as barreiras entre as espécies, o SARS-CoV-2 rapidamente propagou a sua atividade desde o nível mais microscópico das estruturas da quase-vida até ao nível mais macroscópico da biosfera, ajudando a evidenciar os efeitos da ação humana sobre o clima, por exemplo. A proliferação feroz do SARS-CoV-2 provocou e continua a provocar alterações na arquitetura e nos efeitos do Antropoceno. Leia mais

COVID-19, Globalização e Desglobalização

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


A globalização atual pode ser definida com um conjunto de processos de intensificação dramática dos movimentos – de pessoas e mercadorias, de capitais e formas culturais – que atravessam fronteiras, criam interconexões entre sociedades por vezes muito distantes entre si e têm um carácter transformativo na vida de pessoas e coletivos. Leia mais

#enfrentaroCOVID – 1. O espanto

por José Carlos Pinto da Costa, PhD Antropologia, investigador CRIA-NOVA FCSH


A COVID-19 é uma doença infeciosa causada pela ligação do vírus SARS-CoV-2 às enzimas ECA-2. Crê-se que o vírus é resultado da adaptação do SARS-CoV, que causou a primeira doença infeciosa grave do século XXI. O SARS-CoV-2 era desconhecido até dezembro de 2019, quando foi detetado um surto no mercado de Huanan, na região de Wuhan, China. Leia mais

Tocqueville, o Interesse Bem Compreendido e #Fiqueemcasa: observações sobre controle epidemiológico e democracia no Brasil[1]

por Helena Bomeny (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)e Maria Claudia Coelho (Instituto de Ciências Sociais/UERJ)


Em 1835, Alexis de Tocqueville publicou Democracia na América. Nessa obra, propõe o conceito de “interesse bem compreendido”, com o qual designa aquilo que, do ponto de vista da relação entre interesse individual e bem comum, lhe parece ser um atributo singular dos EUA. Nessa doutrina, bem-estar individual e bem-estar de todos se conjugam, e sua eficácia reside em voltar “o interesse pessoal contra ele mesmo”. Leia mais