PLAYTIME 2020

por Mariana Camacho, gestora de ciência (CRIA), cantora.


1.
28 de fevereiro de 2020

img. da autora

Este foi o post que escrevi no Facebook da última vez que fui à Madeira, no universo pré-confinamento. Estávamos a 27 de fevereiro de 2020 e o Covid ainda era uma piada.
Leia mais

Máscaras

por Marcelo Alves Lima, Mestre em Antropologia pela UNICAMP e Doutor em Serviço Social pela UFRJ, Brasil


É praticamente consenso que o “mundo pós-pandemia” não será mais o mesmo. O uso recorrente da expressão “novo normal”, em diferentes contextos, faz dela um símbolo dessa percepção, em especial no que diz respeito às praticas cotidianas e às formas de sociabilidade. Certamente ainda é prematuro antecipar o que virá pela frente. Mas, se for possível imaginar cenários, a Antropologia pode ser um exercício desta imaginação e a Etnografia dos impactos da epidemia o melhor ponto de partida. O confinamento e isolamento social, são ou foram, a realidade para milhões de pessoas em todo mundo. As diferentes formas como isso foi ou está sendo vivido são, certamente, um material riquíssimo quando visto pelo olhar comparativo da Antropologia. Leia mais

Rito de Passagem

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


O gesto humano é uma manifestação de intencionalidade simbólica. Enquanto facto humano o confinamento pandémico implica uma modificação comportamental, submetido à passagem de um estado, ou situação relacional, a outra. Pela alteração de movimentos dos corpos, dos gestos exibidos, enquanto ato o confinamento refere-se também ao potencial inerente no próprio conceito de mudança, esta implica uma transformação. Leia mais

EXPERENCIA-TE A TI MESMO

por  Thomás Meira, Antropólogo, docente no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM, Brasil)


De um apartamento na cidade de São Paulo, Brasil, tenho cumprido o isolamento social voluntário há mais de três meses. Agora, antes do pico da pandemia no país, os governos estadual e municipal, daqui, já afrouxam as medidas de restrição quanto ao comércio e à vida social – nunca estimuladas, essas, pelo Presidente, ou a suposta liderança mais ampla da nação. Lojas, serviços, restaurante, bares e espaços de convivência, aos poucos, retomam as atividades, e pessoas, entre elas, alguns amigos e amigas, voltam a frequentá-los. Contudo, porque posso, sigo confinado; não confio, por ora, na flexibilização das medidas restritivas.

Leia mais

CONVERSA DE BOTAS BATIDAS

por Ana Eduarda Diehl, Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná


Até outro dia estávamos passando comida por baixo da porta,
mas o cansaço dos dias tão iguais nos torna torpes ou talvez mais
distraídos.

Não foi bem uma determinação de romper a quarentena,
simplesmente aconteceu, e foi na metade do caminho que caí em mim:
estávamos a caminho cemitério em meio a uma pandemia. Leia mais

MÁSCARAS COVID-19 E OUTRAS MÁSCARAS

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Podemos reconhecer na máscara – abordada a partir de uma perspetiva “cross cultural” – um conjunto de sentidos. Um deles prende-se com a sua capacidade de presentificação de entidades não humanas – geralmente entidades espirituais – por intermédio de personagens mascarados. Estes são percebidos como sendo as próprias entidades espirituais, que se fazem assim presentes. É esse o significado de muitas máscaras em diversas sociedades tradicionais, da Papua Nova Guiné à Amazónia ou a África. Um segundo significado que muitas máscaras assumem é um significado, não tanto de presentificação, mas de representação.  É que se passa com máscaras que representam entidades – humanas, animais, personagens de comics, etc. – que tanto os mascarados como a sua audiência sabem que são representações – mais ou menos conseguidas, com maior ou menor capacidade de criar a ilusão de uma outra presença, mas sempre representações. É esse o caso de muitas máscaras de carnaval ou – para dar um exemplo mais recente – de máscaras usadas em eventos de cosplay. Finalmente, as máscaras têm um sentido de mera ocultação da identidade – mais evidente nas máscaras venezianas ou em máscaras mais ou menos “neutras” de carnaval.

Pode-se argumentar que nas sociedades do Norte global, a máscara perdeu generalizadamente o seu valor de presentificação, mesmo em comunidades onde podemos presumir que outrora tiveram esse valor. É que se passa em Portugal, com as máscaras associadas ao ciclo dos doze dias (estudadas por antropólogos como Benjamim Pereira, Paula Godinho, Paulo Raposo ou Miguel Vale de Almeida). Essas máscaras – como sugeriu Benjamim Pereira – provavelmente começaram por ter um sentido de presentificação, que, entretanto, perderam, oscilando hoje entre a representação e a mera ocultação da identidade.

Leia mais

Margaret Mead e James Baldwin

por Rita Cachado, PhD em Antropologia, investigadora do CIES-ISCTE


Li Racismo ao Vivo dias antes do início da declaração da OMS sobre a pandemia COVID, um tempo alargado onde o racismo viria a estar na ordem do dia em todo o mundo a partir de finais de maio. Mais do que spoiler, partilho sensações.

O livro é a transcrição de conversas entre Margaret Mead e James Baldwin, em 1973[1]. Margaret Mead viria também a ser lembrada na pandemia, no discurso de Tolentino Mendonça no dia de Portugal, por uma sua tirada sobre o que definia o humano – que tinham achado um fémur sarado, revelando que o cuidado distinguia o humano dos restantes animais. A prestação de Mead nas conversas do livro referido é, contudo, algo constrangedora para antropólogos que lêem este livro hoje.

Leia mais

Desconfinar e descolonizar, a “nova normalidade”

por Cristiana Vale Pires,  PhD em Antropologia, investigadora no CEDH – Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica do Porto


A ameaça do vírus persiste, mas não é suficiente para impedir a ocupação de espaço público por aqueles/as que têm vivido à margem da branquitude capitalista. Leia mais

Esboço de um cotidiano

por Ana Beatriz Cunha, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense PPGA/UFF (Brasil)


Do lado de cá do Atlântico

Há gente na rua…
Para conseguir dinheiro necessário,
A fazer fila nos shoppings para comprar supérfluos

Há mentira, mentiras que matam
Há os que já não respiram, muitas covas

Os que choram seus mortos,
Os que – ainda – debocham da morte,
Os que agridem médicos e quem seja ao ouvir o laudo: Covid-19 Leia mais

A imposição do extraordinário

por Gabriela de Paula Marcurio, Mestranda no Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


O “nosso mundo acabou”, foi “destruído da noite para o dia”. Vivemos “um tempo que não tem fim”. As crianças eram “soltas” e “livres”, agora ficam “presas em casa”, “sem ter o que fazer”. Ou “não tem tempo para nada”, ou “o tempo não passa”. Essa combinação de relatos não diz respeito à pandemia de Covid-19, apesar de se aproximar do que expressamos e ouvimos nos últimos meses. São falas de atingidas e atingidos do maior desastre socioambiental do Brasil, considerado o maior desastre do mundo envolvendo barragens de rejeitos minerais, o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana, estado de Minas Gerais, Sudeste brasileiro. Leia mais

Pandemia, coronavírus e Dogville[1]

por Jamile Borges da Silva, Professora Adjunta da UFBA/ Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA


EUA, março de 2020. O mundo assiste o Dr. Anthony Fauci, consultor de saúde do presidente dos EUA, Donald Trump, rindo e cobrindo o rosto em resposta às observações de Trump em uma conferência de imprensa sobre a pandemia do COVID-19. A fala do presidente americano é um mix de desinformação, bravata e preconceito que constrange o médico responsável por articular estratégias, medidas e orientações para formulação de politicas públicas para o país. Leia mais

Antropologia de máscara

por Bruno Urbano, Licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


A máscara é uma apresentação. Seja esta apenas do rosto ou de todo o corpo, a máscara é  um ato de expressão antes da elocução. As máscaras ocultam mas na mesma ação em que omitem simultaneamente revelam, porque simbolizam. Ao dissociar o indivíduo de uma personalidade e impondo uma identidade, mais do que a cara, a máscara é um agente social. Leia mais

A morte que vivemos: reflexões sobre a angústia em tempos de pandemia1.

por Pedro Barboza, doutorando em Ciências Sociais pelo Programa e Pós-Graduação em Ciências Sociais/UERJ


Um dos sintomas sociais mais destacados nos tempos da pandemia provocada pelo novo coronavírus é a sensação de não saber lidar com as rotinas que nos são impostas. Soma-se a isso uma série de outros sentimentos, descritos pelos indivíduos como “tristeza”, “angústia”, “irritabilidade”, “ansiedade” e afins. A despeito das definições diferentes que esses termos adquirem se observados por um critério médico ou psicológico, com o intuito de unificar o vocabulário, chamarei de “angústia” essa sensação compartilhada sobre as incertezas, dificuldades e tristezas que preenchem as vidas em tempos de pandemia. Esses temas surgem em conversas informais (e virtuais, evidentemente) com amigos e também são alvo da atenção de especialistas, sobretudo os da área da saúde. Ilustrando esse fato, utilizando a internet, podem ser encontrados inúmeros “manuais” ou “cartilhas” para lidar com o “medo”, “tristeza” e “angústia” nos tempos atuais.2 Leia mais

#enfrentaroCOVID – 5. Esperança

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Terminei o ensaio anterior dizendo que a pandemia da COVID-19 desafia a humanidade a explorar o que não se sabe, uma vez que a experiência passada não produziu conhecimento suficiente para se desenvolver protocolos totais, completos, para lidar com a novidade radical da propagação do SARS-CoV-2.

Leia mais