CONFINARIA – webinar #2

A pandemia e os seus impactos: um olhar a partir das ciências sociais

com Ruy Blanes (School of Global Studies, Universidade de Gotemburgo), Louise Pasteur de Faria (UFRGS, Halo Ethnographic Bureau), Joana Martins, (CRIA-ISCTE), Maria Manuel Quintela (ESEL, CRIA-ISCTE), Humberto Martins (UTAD, CRIA-UMinho), Paulo Mendes (UTAD, CRIA-UMinho)


Leia mais

Não estamos todos no mesmo barco

por Catarina Leal, doutoranda em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (CRIA, ISCTE, NOVA FCSH), com Maisie Rozzo, jovem da Greve Climática Estudantil do Algarve


No dia 19 de março de 2021, durante o estado de emergência e o segundo confinamento declarado em Portugal, cerca de 10 jovens da greve climática estudantil do Algarve, maioritariamente do Ensino Secundário, decidiram participar numa concentração em frente ao mercado municipal de Faro, para lutar por justiça social e climática. A jovem entrevistada fala sobre a sua motivação para participar no protesto, a forma de organização do grupo, o tipo de acções que desenvolvem, o que defendem, entre outras questões.

Leia mais

Racismo em tempos de pandemia: da violência policial ao confinamento étnico-racial

por Pedro Sousa de Almeida, investigador no CRIA-Iscte, IR do projeto “Racismo e Xenofobia em Portugal: a normalização dos discursos de ódio no espaço público da internet”


Num relatório publicado pela Amnistia Internacional, no início do verão passado, concluía-se que as forças policiais europeias têm usado, de forma altamente desproporcional, a coerção e a violência física para com as populações racializadas, como meio de fazer cumprir as regras do confinamento implementadas nos diferentes países. Intitulado Policing the Pandemic[1], o relatório, que incidiu sobre a atuação das polícias em 12 estados europeus, sublinha a existência de um padrão no que se refere à violação dos Direitos Humanos, atingindo particularmente grupos marginalizados que já experienciavam discriminação muito antes da pandemia.
Leia mais

Fenómeno total

por Bruno Urbano, licenciado em Antropologia (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Antropologia Aplicada (NOVA FCSH), Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Universidade Católica de Lisboa)


Em “Ensaio sobre a dádiva”, Marcel Mauss define que “fenómenos sociais «totais», como propomos chamar-lhes, exprimem-se ao mesmo tempo e de uma só vez todas as espécies, de instituições: religiosas, jurídicas e morais — e estas políticas e familiares ao mesmo tempo; económicas — e estas supõem formas particulares da produção e do consumo, ou antes, da prestação e da distribuição; sem contar os fenómenos estéticos a que estes factos vão dar e os fenómenos morfológicos que manifestam estas instituições.” (Mauss, 1950: 55) Leia mais

A Menta Humana

por João Meirinhos, artista visual, antropólogo


Num tempo em que se inicia um processo de extinção em massa a nível global, a mente de Miguel – cujo passado havia já sido varrido por um conveniente lapso temporal – tenta tropegamente adaptar-se ao “Novo Normal”. Apesar do isolamento, da extrema direita, da brutalidade policial, das máscaras personalizadas, da paranóia das vacinas e do aquecimento global ainda é permitido mandar vir uma pizza com ananás, mas, é no momento de a engolir que Miguel mais teme pela sua sanidade mentol.
Leia mais

Mantenha a distância!

por Elizabeth Pilar Challinor (CRIA)


Esperava a minha vez. Foi ontem, de tarde. Estava na fila. Mas na realidade não havia fila. Havia somente uma pessoa à minha frente a despejar as mercadorias encima do tapete rolante. Olhei para o chão. Vi uma risca com as seguintes palavras escritas: “Mantenha a distância de segurança.” Ri-me. Leia mais

A casa e a rua em tempos de pandemia de COVID-19 (parte 2)

por Diogo da Cruz Ferreira (Doutor em Políticas Sociais PPGPS/UENF),  Teresa Peixoto Faria (Professora/Pesquisadora, UENF/CCH/LEEA), Fernanda Sthel (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Letícia Crisóstomo (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Sulamita Ribeiro (Graduanda em Ciências Sociais, UENF/CCH), Igor Souza (Graduando em Ciências Sociais, UENF/CCH)


Nesta Parte 2, apresentamos em imagens e palavras os maneirismos e as invenções possíveis cotidianas, no sentido de De Certeau (2013, 2014), para nos referirmos aos momentos e lugares da cotidianidade de estudantes* em período de medidas restritivas – quarentena, distanciamento e isolamento social – que habitam cidades médias e pequenas situadas, no estado do Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Leia mais

A FALTA QUE A FESTA FAZ [1]

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


Os sucessivos confinamentos associados à covid19 levaram ao cancelamento ou à suspensão temporária de muitas festas. Para fazer face a essa suspensão, muitas festas colocaram-se sob o signo da transição digital: recorrendo às redes sociais para partilha de fotografias e vídeos de festas passadas, promovendo lives ou efetuando transmissões online de segmentos rituais sem público, etc. As festas acompanharam assim, de formas muito diversas e criativas, uma das grandes transformações da economia e da sociedade no “novo regime pandémico”, expressa – por exemplo – na generalização do teletrabalho, no aumento significativo do comércio online ou – no campo das artes – na generalização de espetáculos, performances, concertos, exposições etc., online. Estas tendências já vinham de trás, mas aceleraram-se significativamente no decurso da pandemia. Segundo a revista The Economist, durante o primeiro confinamento (entre março e junho de 2020), a transição digital fez em alguns meses um caminho que em condições normais duraria dez anos a fazer. Leia mais

Desigualdades e contrastes socioeconômicos em tempos de pandemia

por Lucas Barreto de Souza, antropólogo/ pesquisador, pós-graduando em antropologia (PPGA/UFBA)


Dissolvidas as divisas entre o interno e o externo (dentro e fora), portas e portões já não há. O olhar perpassa os espaços internos, atravessa interiores, alcança áreas externas além das pequenas divisórias; um giro pelas laterais, teto e solo: porções anterior, laterais, superior, inferior, posteriores … das ruínas alegóricas, ambulantes metamorfoses de cimento e ferro, concreto armado, emblema dos processos de ocupação de imóveis ociosos. Espaços frequentados por perambulantes diurnos e noturnos que deixam seus rastros sobre os rastros do tempo notáveis nas estruturas em sedimentação… Leia mais

CONFINARIA – novas impressões de um Tempo permanentemente (in)certo

Passado um ano do início de um ‘novo’ normal, seguimos mais ou menos confinados sem saber muito bem o que nos espera. Entre aberturas, fechamentos, reaberturas e refechamentos, não ficámos, de facto, todos bem. Muitos já pereceram, muitos sofrem e sofreram. Nunca vivemos todos o mesmo, não sentimos ou somos afectados de forma igual. A diversidade que caracteriza a condição humana também ou, sobretudo, na vulnerabilidade e nos riscos é mais evidente. Não voltámos efectivamente a um tempo ‘regular’ ou seguro, independentemente do ponto de partida de cada um. Mas a vida segue, entre dor, morte, sofrimento, perdas, realizações, adiamentos, criatividades, soluções mais ou menos imaginativas.

Leia mais

CONFINARIA – webinar #1

A pandemia e os seus impactos: um olhar a partir das ciências sociais

com Jean Segata (UFRGS, Brasil), Vitor Grunvald (UFRGS, Brasil), Jorge Varanda (CRIA, Universidade de Coimbra, Portugal), Renato Miguel do Carmo (CIES, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa), moderação: Paulo Raposo (CRIA, ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa)


Sobre o CONFINARIA – webinar #1

Depois de cerca de um ano de confinamentos totais, parciais e de ondas sucessivas de perturbação pandémica causadas pela pandemia da COVID-19, e ao longo das quais o blog CONFINARIA foi trazendo depoimentos críticos, reflexões mais intimistas, desenhos ou fotos, paisagens sonoras e ensaios, chegou o momento de encetarmos um novo caminho. Pretendemos agora ensaiar um novo formato: webinares ou mesas redondas virtuais onde se convidam especialistas, investigadores, ativistas, membros de coletivos e associações ou instituições, para debater temas articulados com os impactos da pandemia no futuro que está por vir.

Leia mais

Estado de emergência e estado de calma(idade)

por Magda Ferreira


A minha história, igual a tantas outras, trouxe-me ao ser par* (e nunca mais ímpar), por ser marginal e divergente.

No presente recente, no seu ciclo secular, a Mãe Natureza trouxe um novo e forte vírus, que parou o mundo. Eu observei o que penso que todos sentiram, o nunca pode acontecer sem aviso. E a todos traz algo para melhorarmos, para recuperarmos o nosso ritmo natural, sentindo-nos tão vulneráveis ao mesmo tempo.

Somos o que pensamos? Apenas ser. Nunca me senti tão marginal e ao mesmo tempo tão livre, pois como utilizadora de drogas, éramos os únicos na rua, quebrando todas as recomendações e imposições. Leia mais

PLAYTIME 2020

por Mariana Camacho, gestora de ciência (CRIA), cantora.


1.
28 de fevereiro de 2020

img. da autora

Este foi o post que escrevi no Facebook da última vez que fui à Madeira, no universo pré-confinamento. Estávamos a 27 de fevereiro de 2020 e o Covid ainda era uma piada.
Leia mais