#enfrentaroCOVID – 2. Confinados

por José Carlos Pinto da Costa, PhD em Antropologia, investigador no CRIA-NOVA FCSH


Saltando as barreiras entre as espécies, o SARS-CoV-2 rapidamente propagou a sua atividade desde o nível mais microscópico das estruturas da quase-vida até ao nível mais macroscópico da biosfera, ajudando a evidenciar os efeitos da ação humana sobre o clima, por exemplo. A proliferação feroz do SARS-CoV-2 provocou e continua a provocar alterações na arquitetura e nos efeitos do Antropoceno.

foto do autor

No entrelaçamento do vírus com o humano são implicadas instituições, hábitos e modos e estilos de vida em geral. A cabeça com muitas cabeças do Leviathan foi convocada a agir. A sociedade civil foi instada a participar no que poderemos chamar uma ampla política do envolvimento, pautada pela tensão entre o direito à vida e a liberdade individual, cujo corolário é a chamada de todos os stakeholders para se envolverem na luta contra a COVID-19, recentemente lançada por um conjunto de atores, incluindo a Organização Mundial de Saúde. Teses que defendem que os valores individualistas impedem o combate aos surtos epidémicos ganharam impulso. Países espalhados por todo o mundo declararam o estado de emergência, provocando a assunção de um paradoxo particularmente sintomático: por um lado, a emergência de um mundo nunca antes visto, por outro, a replicação de práticas e representações que tornam as culturas e as sociedades em produtos da multiplicação de um déjà vu com origem no nosso futuro. Em Portugal, a fase mais autoritária da política do envolvimento teve início no dia 19 de março de 2020. A medida com maior e mais imediato impacto nos hábitos e modos humanos de vida foi o “confinamento compulsivo no domicílio”, associado à “interdição das deslocações e da permanência na via pública que não sejam justificadas”.

Neste post são apresentados dizeres, diálogos e desabafos emitidos durante o período de confinamento e recolhidos através de uma twitenografia sobre como as pessoas enfrentam o COVID (ou a COVID-19), cujos registos começaram no início da segunda semana de março e prolongaram-se até final de abril deste ano.

As reações de descontentamento à situação de confinamento começaram a sentir-se ainda não tinha passado uma semana desde a sua instituição. O que mais preocupava pessoas como o Raúl, era o “não ter[em] previsão de voltar à vida normal”, o que “matava de agonia”. A contagem dos dias era uma constante. Comparavam-se resistências entre moradores de diferentes longitudes: “7 dias? Isso é para meninos, vou no dia 15”, disse o António em tom provocador. Hugo concorda que o confinamento lhe provocava um sentimento de inquietação: “Não diria ansiedade, mas habituei-me a estar com pessoal que me obrigava e eu ‘auto obrigava-me’ a estar fora da minha ‘caixinha’… Ao fim de um tempo, a coisa começa a bater.”

A intolerância às notícias e aos telejornais começava a manifestar-se. “Já tenho dificuldade até em ouvir ‘o novo coronavírus’. É uma opressão para mim”, desabafava o Tiago. “Eu não ligo a televisão, senão para ver um filme, um documentário, ou ouvir música… Procuro as notícias na net (incluindo o Twitter). Em particular nesta situação, julgo ser uma boa prática de salvaguarda no nosso bem-estar mental”, respondia a Helena. “Sim” – respondeu o Tiago – “Passamos o dia em casa ligados à @RTPNotícias, é demais. Não foi a brincar que o disse, é porque temos mesmo que passar a ouvir as notícias nos horários principais, e só as iniciais” e depois… partir para outra coisa qualquer. Eu costumo também pôr no silêncio e tuito e leio.” “A televisão não é uma companhia para mim… Tenho os meus filhos para conversar… Os meus pais no telefone ou de visita, os meus amigos (agora longe) no WhatsApp, vocês todos no Twitter. Não estou isolada e prescindo da televisão”, respondeu a Helena. “Temos que ter alguns dados connosco, Helena. Não nos podemos isolar completamente. Mas não podemos permitir o tsunami que são as notícias ao longo do dia, nos afoguem” – reagiu o Tiago.

Rosa comunga deste sentimento de intolerância às notícias, confessando que “de início tinha sempre a televisão ligada nas notícias. Custava-me a concentrar, a cada ‘última hora’ lá estava eu a aumentar o som. Agora não. Já não aguento. Vejo as notícias no telemóvel de manhã e depois só à noite. Venho – diz ela – espreitar menos vezes o Twitter, fico assoberbada com a TL [timeline]. Comecei a ter dificuldade em dormir.”

Não foi apenas o regime de sono que ficou alterado com a enxurrada de notícias sobre o COVID-19. Tiago refere mesmo que os sonhos são agora diferentes. A este respeito, Vânia acrescenta: “Já nem durante os sonhos fujo a esta realidade. As angústias vão-se amontoando. Ainda assim, há algo maior para ser debelado. Deixemos de olhar para dentro apenas e olhemos para os outros com o respeito e a consideração que merecem. Façamos algo para ajudar. A nós e a todos.”

Alguns hábitos sofreram alterações, como o consumo de álcool, de tabaco, e mesmo de comida, tendo todos aumentado, segundo a generalidade dos informantes. Mas também é certo que aumentou a consciência da necessidade da realização de exercício físico. Porém, os cuidados com o corpo não se limitavam ao cumprimento de programas de treino, ou da realização de sessões de ioga, em que alguns participantes tinham presença assídua. Neste âmbito, surgiram alguns passatempos para manter a atenção sobre o corpo. A prova dos jeans, para ver se as calças de antes do confinamento ainda servem, ou o passatempo do vestido, em que as participantes vestiam um vestido e se arranjavam como se fossem sair, serviram simultaneamente de métodos de autovigilância sobre os próprios comportamentos e de meios para o sancionamento ou a aprovação pública tanto dos outfits como dos comportamentos de controlo e de evitamento do desleixo. Nesta área, o grande problema era o tratamento do cabelo. Com os cabeleireiros fechados, as mulheres queixavam-se de não poderem retocar a pintura nas raízes e de não poderem cortar o cabelo. O Twitter aparecia como plataforma de crítica, tanto aos comportamentos como às condições que potencialmente os motivavam.

De acordo com a Maria, “o confinamento em apartamentos pode levar a um aumento de conflitos. Porque és obrigada a conviver sem um espaço para ti. Estarem juntos não significa partilha.” A saturação de estar acompanhados num espaço muitas das vezes exíguo e o excesso de recurso à comunicação com o exterior através dos meios de comunicação e das redes sociais mostrava-se como uma realidade assustadora e que poderia resvalar em problemas no controlo psicológico das situações, de acordo com esta informante. Posições radicais emergiam de vez em quando. Sónia, por exemplo dizia que “não há cura… Ninguém pretende ser invadido. Ninguém.” O melhor a fazer, diz o Rui, é “não pensar”. Dirigindo-se ao Francisco, que vive num T0, acrescenta: “Estás com a tua miúda. Usufrui do tempo, afasta a mente do assunto. Lê, vê cenas parvas, filmes de rir. Relativiza, brinca. Não contes o tempo. Não te vejas como um ‘leão na gaiola’. E pega naquela ideia maluca na gaveta e põe em prática”.

A convivência no mesmo espaço por períodos prolongados e de potencial inatividade pode provocar problemas na estrutura das relações, mas, o contrário também se observa. As famílias alargadas passaram a não poder visitar-se e reunir-se. Um dos momentos mais altos desta rutura causada pela COVID-19 foi a Páscoa. Tanto durante a semana santa como no domingo de Páscoa, os familiares deixaram de se reunir e de fazerem planos para almoçarem ou jantarem todos juntos. O evento de crise sobrepôs-se ao evento cíclico da Páscoa, como já se tinha sobreposto aos eventos de rotina. O colapso do tempo tornou-se especialmente grave com a supressão dos rituais do compasso pascal e do beijo da cruz. O cumprimento dos rituais em alguns lares de idosos e na rua tornou-se perigoso e criminoso, tendo motivado inúmeras reações.

A perda de noção do tempo é, aliás, um dos sinais mais amplamente referidos no Twitter, tanto nos círculos sob observação como em outros. A cada passo, surgiam cartoons ou dizeres sobre a dificuldade na perceção da mudança dos dias e mesmo das horas. Desta vez, a mudança da hora para o regime de verão, no dia 29 de março, foi anunciada pela Associação de Voluntários Digitais em Situações de Emergência (VOST Portugal) com humor: “Não se esqueçam: Vai mudar a hora. Sabemos que estão todos em casa, que os relógios dos smartphones, micro-ondas, frigoríficos, e outros eletrodomésticos mudam automaticamente, mas deixamos o aviso. O relógio do vosso carro vai finalmente ficar certo, após estes meses todos”.

Em contraponto, percebi que nem toda a gente se mostra descontente com o confinamento. A Cármen, por exemplo, informa que não “[vai] estranhar a solidão”, porque sempre “viv[eu] assim (+ ou -)”, e que “gost[a] de estar só. Está “confinada voluntariamente desde quase sempre.” Ela vive sozinha, com a sua cadela, porque tem esse “feitio, gosto, seja lá o que for; esquiva!” e por, “em 2018”, ter sentido “imensas perdas diferentes entre si”. Com isso, “retra[iu-se] muito mais; ir à rua deixou de ter sentido”, por isso, “neste momento, não [sentia] diferenças na [sua] vida”.  Vive num apartamento pequeno, e sente-se protegida e preparada para o confinamento. Tem “1/2 dúzia de enlatados (inclui fruta); três frascos de álcool, ao pé de [si], na casa de banho e na cozinha; duas barras de sabão azul e branco; uma embalagem de lixívia; e duas de vinagre de vinho branco”.

Ao longo da exposição dos relatos, vemos que as pessoas viveram o período de confinamento de maneira semelhante, mas que a perceção dos impactos do confinamento nas suas vidas diverge. A opiniões oscilam entre a perceção negativa, sobre o que se perdeu, e a positiva, sobre o que se manteve. A “morte” da vida social é compensada pela vida biológica. Como se de uma ressonância do mundo microscópico se tratasse, a morte de células e de organismos causada pelos vírus promove a evolução e provoca a emergência de uma vida mais complexa, como é crível que acontece desde o salto eucariótico. É certo que o SARS-CoV-2 trouxe a morte biológica a muitas pessoas, e suspendeu a vida social, mas também é certo que tornou a vida humana mais complexa e desvelou sem margem para dúvidas o papel da espécie humana na biosfera e no (des)equilíbrio químico do planeta. Os ecossistemas coevoluem nas fronteiras do caos, assim como a biologia e a cultura também coevoluem.  O entrelaçamento destes dois níveis configura uma realidade nova – um novo normal, se quisermos.

Rita resume este sincretismo muito bem, quando diz que “um dos efeitos pesados deste confinamento é acordar todos os dias para um tema só. Tudo deixou de existir e ter relevância. Só resta o vírus a entrar em todo o lado, nos nossos organismos, casas, TVs, computadores, relações, conversas. Não há escapatória.” Como também resume Susana, “só escapamos escapando…”.

Lisboa, 7 de maio 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.