COVID-19, Globalização e Desglobalização

por João Leal, Professor no Departamento de Antropologia da NOVA-FCSH, Investigador no CRIA-NOVA FCSH


A globalização atual pode ser definida com um conjunto de processos de intensificação dramática dos movimentos – de pessoas e mercadorias, de capitais e formas culturais – que atravessam fronteiras, criam interconexões entre sociedades por vezes muito distantes entre si e têm um carácter transformativo na vida de pessoas e coletivos.

foto do autor

A COVID-19 e a globalização

É neste quadro que se pode explicar a rápida difusão global da covid 19. Podemos de facto caracterizar a covid 19 como um vírus em movimento, cuja difusão rompeu sucessivamente várias fronteiras, mostrou de forma dramática a interconexão entre as sociedades contemporâneas e transformou profundamente a vida das pessoas e dos coletivos. Mas não apenas. A própria circulação do vírus foi facilitada por alguns movimentos de pessoas caraterísticos da globalização atual: viagens de negócio associadas à transnacionalização das economias, movimentos de pessoas relacionados com o turismo, etc. A difusão global da covid 19 pode, portanto, ser vista como uma demonstração poderosa do modo como a atual globalização ligou entre si pessoas e sociedades à escala planetária.

Não é que – como tem sido lembrado – este tipo de pandemias não seja novo na história da humanidade. Os exemplos que têm sido mais citados são a “peste negra”, ou, mais recentemente, a “pneumónica”.

Mas há que lembrar que um dos mais expressivos e dramáticos exemplos da difusão global de vírus está ligada à introdução de doenças euro-asiáticas nas Américas e à consequente destruição de milhões de vidas indígenas. Estendendo-se no tempo, esta circulação transcontinental de doenças – em combinação com outras formas de violência colonial – caracterizou-se por taxas de mortalidade situadas entre os 60 e os 70%. Só no Brasil isso significou a morte da imensa maioria dos cerca de cinco milhões de indígenas que habitavam esse território em 1500.

O que diferencia a atual pandemia da covid 19 é a sua tão rápida difusão e o seu alcance tão global.

Se a covid 19 está associada à globalização, ele também afetou – no curto prazo, mas provavelmente no médio e no longo prazo – a globalização ou, pelo menos, algumas das suas características mais emblemáticas.

De uma forma generalizada, a covid 19 interrompeu a livre circulação de pessoas e determinou o encerramento de fronteiras. Desencadeou reações xenófobas em vários países. Provocou a paralisação quase total da indústria do turismo –  responsável pela circulação anual de 1,4 mil milhões de pessoas em todo planeta (dados relativos a 2018). Levantou entraves às cadeias logísticas e de produção decorrentes da circulação transnacional de mercadorias e de mão de obra. Colocou sob teste severo o funcionamento de organizações transnacionais como a União Europeia ou a Organização Mundial de Saúde.

Desglobalização?

Algumas destas tendências vieram para ficar, outras nem tanto, outras não sabemos. Mas o que é provável é que se venha a assistir – pelo menos no médio prazo –  ao acentuar do processo de desglobalização que já estava anteriormente em marcha (não foi por acaso que a revista The Economist cunhou, a esse respeito, a expressão “slowbalization”).

Essa desglobalização tem várias expressões, algumas objetivas, outras subjetivas. Uma das mais conhecidas é a estagnação recente do comércio internacional. Simultaneamente assistiu-se à multiplicação de fronteiras e de impedimentos à livre circulação de pessoas, em particular de populações atingidas pela emergência climática, pela multiplicação de guerras e pela globalização do narcotráfico.  Desde a queda do Muro de Berlim – para estancar a circulação dessas populações – cerca de 50 novos “muros” físicos foram construídos ou estão em construção.

A par destas – e doutras – tendências objetivas, o atual processo de desglobalização está associado a um conjunto de tendências subjetivas, de sentido político muitas vezes contraditório. Tornou-se crescente a tomada de consciência – nos países do Norte global – das consequências sociais e económicas da deslocalização da produção. É cada vez mais significativo o reconhecimento do fosso global entre poucos muito ricos e muitos muito pobres. Assistiu-se ao desenvolvimento de tendências críticas em relação à crescente transnacionalização dos processos de decisão política e de transferência dos atributos tradicionais da soberania nacional para organizações supranacionais – como mostrou o Brexit. Em muitos países, a direita e a extrema direita populistas e as suas agendas protecionistas e xenófobas passaram a dispor de um apoio popular significativo.

Todos estes indícios – e outros – confirmam que os “anos gloriosos” da globalização ficaram para trás ou que, pelo menos, se tem vindo a assistir ao arrefecimento daquilo a que, mais apropriadamente, poderíamos chamar de hiperglobalização: não apenas mais uma fase da globalização (a terceira globalização), mas uma fase da globalização que, sob o signo do neoliberalismo,

    1. foi, por um lado, longe demais – na deslocalização de empregos, nas facilidades acrescidas à livre circulação de capitais, no desenvolvimento desregrado da indústria turística, no crescimento do fosso entre ricos e pobres;
    2. mas foi, por outro lado, longe de menos – no combate conjunto à emergência climática ou às crises humanitárias, na criação de mecanismos internacionais de controle da circulação de capitais, no combate à desigualdade global.

Teremos que ver até que ponto a “reabertura da economia” (e da política e da vida social) pós-covid 19 significa a reabertura da economia (e da política e da vida social) pré-covid 19. Mas, no que diz respeito à globalização, o pós-covid 19 traduzir-se-á provavelmente numa maior recalibragem de globalização tal como existia antes. Nalguns aspetos isso não será necessariamente mau – justamente naqueles aspetos em que a globalização foi longe demais – mas noutros será – justamente naqueles em que a globalização foi longe de menos.

Nacionalismo de “novo tipo”

Um dos possíveis riscos para o tempo pós-covid 19 poderá vir a ser – esperemos que não – o reforço da direita e da extrema direita populistas e da sua agenda xenófoba: o reforço dos nacionalismos de “novo tipo” que já se vinham afirmando nos tempos pré-covid 19. Esses nacionalismos possuem, entre outras, três características principais:

    1. são nacionalismos que – diferentemente dos nacionalismos que emergiram na sequência da queda do Muro de Berlim – se exprimem no quadro de estados-nação plenamente constituídos e sem problemas de soberania territorial;
    2. são nacionalismos que defendem algum tipo de fechamento desses estados-nação em relação ao exterior;
    3. são nacionalismos que, confrontados com a crescente multiculturalidade das sociedades contemporâneas – decorrente em muitos casos da importância das migrações – advogam um regresso ao monoculturalismo.

Alguns observadores políticos têm defendido a tese que o pós-covid 19 poderá traduzir-se no reforço de partidos políticas do arco democrático da governação, não só devido à capacidade de resposta que mostraram face à pandemia, como também face à condenação maioritária de figuras políticas de perfil populista que priorizaram a “negação” das consequências do covid 19. Pode ser. Mas nada nos garante que, se à crise sanitária se juntar uma crise económica, os nacionalismos de “novo tipo” não ganhem tração. Abundam infelizmente os exemplos que indicam que, mesmo durante a crise do covid 19, esses nacionalismos de “novo tipo” não estiveram de quarentena: desde as perseguições acrescidas aos muçulmanos na Índia de Modi até à xenofobia banal de chamar “vírus chinês” à covid 19, à instauração de uma ditadura pós-comunista na Hungria ou às ameaças à Organização Mundial de Saúde.

A xenofobia, a criação de bodes expiatórios étnicos, a multiplicação de obstáculos à circulação de pessoas em fragilidade, são riscos – que já vinham de trás – que poderão ganhar novas expressões no pós-covid 19.

A força do laço social

Para contrariar esses riscos, uma das respostas é reforçar o contrato social sobre que repousam as sociedades democráticas.

Isso é tanto mais importante quanto o distanciamento social significou a momentânea suspensão das bases materiais do “laço social”: tanto a nível interpessoal, como ao nível dos pequenos e grandes ajuntamentos de pessoas que produzem grupos e solidariedades (de todo o tipo): desde festas a missas, desde concertos a manifestações.

Tanto “o social” teorizado por Goffman – o dos relacionamentos interpessoais – como o social teorizado por Durkheim – o dos grupos produzidos pela efervescência coletiva – foram momentaneamente suspensos.

Claro que alguns desses tipos de laço social podem funcionar – e têm funcionado – num registo virtual e deve ser também registado o modo como a  covid 19 esteve associado a formas inéditas de solidariedade. Mas a “fisicalidade” mesma do social – a presença dos corpos, da proximidade interpessoal – esteve (e ainda continua) em suspensão, assim como as convenções culturais a ela associadas.

A esperança – uma das esperanças – é que o “desconfinamento” do social que muitos países estão a iniciar possa gradualmente restaurar as condições materiais para que retomemos o gosto de viver – todos – em conjunto.

 (Nota final: este texto nasceu de uma entrevista ao coletivo Greve Climática Estudantil, no âmbito do programa “Vizinho do Lado”, conduzida por Matilde Alvim, estudante de antropologia da NOVA FCSH.
Essa entrevista pode ser vista em
https://www.youtube.com/watch?v=jTKN4Vmou_8.
A sua realização d
eve-se à circunstância do tema da globalização ser um dos temas abordados no seminário “Temas do Pensamento Antropológico”. Este, apesar do seu nome algo pomposo, é um seminário que privilegia a abordagem de temas contemporâneos, como a globalização, o nacionalismo e as migrações. Agradeço à Matilde Alvim a proposta que me fez de tentar convocar alguns desses temas para a abordagem dos desafios colocados pela covid 19)

Lisboa, 5 de maio de 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.