Uma etnografia virtual com os Suruí-Aikewara em tempo de pandemia

por Donizete Rodrigues, Professor Auxiliar da Universidade da Beira Interior e Investigador do CRIA-NOVA FCSH


Com a ajuda financeira da FCT (Portugal) e da CAPES (Brasil) comecei a desenvolver o projeto “Estudo antropológico e sociológico de identidades e expressões religiosas na Amazônia”. Seguindo a metodologia clássica antropológica (observação-participante), entre 2017 e 2019, fiz etnografia com os Suruí-Aikewara, etnia que vive no Médio Tocantins, Estado do Pará, Brasil, nomeadamente nas aldeias Sororó (sede), Itahy e Yetá.

foto do autor

O trabalho de campo etnográfico, na linha tradicional de Malinowski e, posteriormente, de Geertz, implicava (obrigava) a presença física do antropólogo no terreno. Hoje, com as novas tecnologias, podemos complementar a busca de informações (dos dados etnográficos) – e acompanhamento do ‘quotidiano na/da aldeia’ – utilizando a internet, as diversas redes sociais (Facebook, Whatsapp), técnica denominada de ‘cyber-virtual-online ethnography’ (Ward, 1999; Hine, 2004, 2008, 2015).

Nos dias atuais (pandémicos), o/um vírus alterou completamente as nossas vidas, isolando-nos em casa, nos bairros, nas cidades. Como consequência, estamos separados (fisicamente) do nosso espaço primordial de trabalho – a universidade (onde ensinamos) e do terreno etnográfico (onde fazemos investigação).

Neste contexto de impossibilidade de contato real, físico, qual seria a alternativa para a pesquisa etnográfica? É um fato que, para além do isolamento do antropólogo, o vírus também afetou as (já mais isoladas) aldeias indígenas. A alternativa é utilizar as redes sociais, para continuar a acompanhar o quotidiano dos Suruí-Aikewara. Como não poderia deixar de ser, as conversas agora incidem, predominantemente, sobre as alterações, os inconvenientes, que esta pandemia tem provocado no dia-a-dia das aldeias.

Descrevo aqui, brevemente, uma parte da minha etnografia (à distância); neste caso, com a Tiramuá, prima do cacique Mairá, da aldeia-sede Sororó.

“Ninguém entra na aldeia e nós não estamos saindo. Mudou muito o nosso dia a dia, tá tão difícil, não tem remédios pra gripe, tá faltando muitas coisas na nossa farmácia. Mas mantemos a nossa vida: os homens vão pernoitar na mata para caçar, nós vamos pescar, manter a nossa roça – plantar e colher mandioca, por exemplo. Dançamos, cantamos. Estamos preparando as nossas festas, a do peixe e a do porco-do-mato (sawa’cu)”.

A Antropologia, ao longo da sua história, tem conseguido adaptar-se, epistemo-metodologicamente, às mudanças históricas e culturais. O Covid-19, este invisível e mortal inimigo para a humanidade, trouxe um novo desafio, com novas possibilidades de investigação etnográfica, como testemunha esta iniciativa do CRIA Confinaria – Etnografias em tempos de pandemia.

Covilhã, 29 de abril 2020.



Citar este post
CRIA (2020, 5 Maio). Uma etnografia virtual com os Suruí-Aikewara em tempo de pandemia. CONFINARIA. Recuperado em 27 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/n28j

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search