O que vai ser da kizomba com o Covid-19?

por André Soares, doutorando em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (ISCTE-IUL, NOVA FCHS, CRIA)


(Filmado em trabalho de campo em setembro de 2019, numa aula da Escola de Dança Clássica, Luanda, Música de fundo: Fruit de la Passion de Franky Vincent)

A pergunta que faço tem dois sentidos, um primeiro que se prende com a kizomba enquanto género musical e sobretudo de dança a par, o segundo sentido, mais antropológico prende-se com as questões sociais desta dança, a forma como ela favorecia a proximidade e a relação entre as pessoas. Bem sei que Angola está em Estado de Emergência acompanhando quase todo o mundo, mas a kizomba representava uma das ocupações ludico-desportivas dos dançantes de Luanda, Lisboa, Benguela, Paris e Madrid, sobretudo ao fim de semana. O que vai ser dos professores e professoras que investiram tanto no ensino e promoção desta dança? O que vai ser da kizomba para angolanos, portugueses, cabo-verdianos, guineenses e agora outras nacionalidades que viviam apaixonadas pelo swing deste ritmo? O que vão ser das pistas de dança do BLeza, em Lisboa, do Maiombe em Luanda e do Muxima em Vila Nova de Gaia?

A kizomba pressupõe toque, proximidade e paixão na sua execução dançante. Com a pandemia da COVID-19 esta dança está impedida de se executar por questões sanitárias. Apesar de por questões de sanidade mental fosse o escape, o bálsamo de muitos e muitas dançantes.  Uma suspensão que afeta formas de vida em sociedade e o divertimento, o jogo da dança e a sua fruição. Com tudo fechado, as pessoas podem dançar em casa, claro, em frente ao espelho, é certo. Mas todo um conjunto de pessoas se vê agora sem a proximidade da kizomba. Na minha tese de mestrado sobre a expansão da kizomba nos festivais que aconteciam um pouco por todo o mundo e que tive a oportunidade de seguir:

“Um outro dos fundadores do movimento kizomba , António Bandeira , confessa que o sucesso da kizomba  passa pelo contacto entre os corpos, que nas sociedade mais individualizadas se tem perdido a dança por ser de contacto remete para a mãe que recebe nos braços os seus filhos, uma tradição que os africanos não perderam nos seus processos de socialização” (Soares, 2015, p:45). O objetivo destes professores é passar esta sensibilidade perdida às sociedades ditas de desenvolvidas, o contacto e o afeto, que ainda reside nos africanos e que a kizomba consegue de alguma forma plasmar através do abraço. A transformação de corpos adormecidos são despertos agora por aulas em festivais de kizomba  com professores que vêm “de lá de África” espoletando um conjunto de discursos muito interessantes capazes de dar voz ao corpo que fala, através do ato de dançar. Maria Júlia Carozzi refere:

“Gestos que sonham possibilitando uma comunicação universal e superadora das barreiras culturais que a linguagem e as teorias impõem e que ordenam evolutivamente a experiência do movimento e a palavra” (Carozzi, 2011, p: 113).

Esta experiência do movimento em lugares de sociabilidade está agora suspensa. A kizomba, festa, divertimento deixa de fazer sentido, deixa de ligar, de abraçar as pessoas nas suas múltiplas diferenças e formas de estar. Esta ideia de uma suposta tradição “africana” mais dada à “proximidade” cai também por terra, agora derrotada por um vírus que usa a kizomba e as suas dinâmicas para se passar e infetar através da respiração dos dançantes. Aqueles e aquelas que tinham precisamente nesta dança um respiro, uma pausa da vida quotidiana, trabalho, casa, afazeres diários.

Luandenses foram construindo formas de estar, que passam muito pela exibição de dotes de dança nos espaços de convívio social. Lutam por esses momentos, ensaiam, praticam de forma a triunfar nesses espaços, mostrar arte, mostrar vitalidade para um coletivo. São até acusados, por vezes, de não serem angolanos e angolanas caso não dominam pelos menos aquele passo básico de kizomba, o 1,2,3.

O lento bater da kizomba e a sua pulsão estarão suspensas. Como vão os dançantes viver, conviver, enquanto isto durar?

Nota: o texto original publicado na página pessoal do Facebook a dia 31 de março de 2020, tendo sido revisto e editado no dia 28 de abril de 2020.

Lisboa, 28 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.