#enfrentaroCOVID – 1. O espanto

por José Carlos Pinto da Costa, PhD Antropologia, investigador CRIA-NOVA FCSH


A COVID-19 é uma doença infeciosa causada pela ligação do vírus SARS-CoV-2 às enzimas ECA-2. Crê-se que o vírus é resultado da adaptação do SARS-CoV, que causou a primeira doença infeciosa grave do século XXI. O SARS-CoV-2 era desconhecido até dezembro de 2019, quando foi detetado um surto no mercado de Huanan, na região de Wuhan, China.

À data a que escrevi este texto, o vírus tinha provocado um total de 198 842 mortes e 2 883 603 pessoas estavam infetadas, o que representava um acréscimo de 85 517 novas infeções comparativamente ao dia anterior. O vírus encontra-se espalhado por 213 áreas em todo o mundo, registando maior incidência nas regiões mais desenvolvidas, como se pode observar no gráfico.

Gráfico 1 – Evolução diária do número de casos de COVID por regiões (28/04/2020)

 

No combate científico à pandemia, é dirigida uma atenção especial às características estruturais das proteínas que constituem a espícula do vírus, que é a estrutura que liga este às enzimas ECA-2. A espícula tem sido representada de diferentes maneiras. A mais comum é a representação em diagrama. As tecnologias de visualização permitem obter igualmente imagens 3D cada vez mais realistas. Tanto nas representações em diagrama como nas baseadas em imagem é possível observar que há vastas áreas de informação em falta. A discrepância entre o epistemológico e o ontológico é claramente visível em especial nas imagens 3D. Uma opção mais recente é a representação da proteína através de música. Esta opção, desenvolvida pela equipa do músico e engenheiro Markus Buehler, no Massachusetts Institute of Technology, com recurso à inteligência artificial, permite desvendar os pormenores da complexa estrutura da espícula que os microscópios não conseguem captar. O resultado é uma representação da espícula em contraponto, como se a sua geometria fosse detetada pelo seu negativo.

Na twitenografia que realizei, um estudo etnográfico realizado exclusivamente no Twitter sobre como as pessoas enfrentam o COVID-19, apresentei em primeira mão esta representação a alguns dos participantes do estudo. As reações incluíram enfáticas perguntas, tais como “O quê, pode ouvir-se o vírus?!”, “O vírus faz música?!”. Depois de terem percebido que não é o vírus que emite a música, alguns dos participantes questionavam como era possível representar um “corpo” com música. A ideia de um sonar emergiu, e eles começaram a discorrer sobre a utilidade dessa representação e sobre os seus impactos. O espanto era geral. “Como é que uma música pode ajudar a combater a COVID-19?”. “É o canto da morte”, disse um. “É lindo”, disse outro. “É horrível, monstruoso”, disse ainda outro.

A beleza horrenda da letalidade é o mais recente produto da dialética entre o epistemológico e o ontológico no contexto da perceção do SARS-CoV-2. Nesta dialética emerge a velha questão que opôs Einstein a Bohr e Heisenberg: seremos incapazes de conhecer completamente o real, ou é o real que nunca está completo, que se move num plano de indeterminação, de incerteza? Uma questão que assalta todos os modos de perceber o mundo. Uma questão antropológica por excelência.

Lisboa, 28 de abril 2020.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.