Pandemia, alteridade e autoetnografia

por Marina Ramos Neves de Castro, professora do programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, UFPA, Belém-Pará (Brasil)


Como cuidar de nossa saúde mental em tempos de pandemia? Como manter projetos, sustentar reflexões e engajamentos em tempos de pandemia? O que é uma pandemia para a construção das subjetividades e da  intersubjetividade? Daquilo que nos molda os pensamentos e os sentimentos e comandam, sub-repticiamente nossas ações?

fonte: shutterstock

Me provoco diante da necessidade de escapar de uma depressão que, também, sub-repticiamente me invade e ocupa meus dias. Uma ocupação não linear, mas com formas que se alteram, se disfarçam, me envolvem de maneiras múltiplas e com disfarces escamoteados, de cores sutis, disfarçadas em pequenos ensejos, me tornando uma presa do estado de inanição intelectual.

E na luta contínua, na luta em como dar sentido ao pensamento e verbo ao sentido, à vida, a uma forma de estar no mundo diante da morte? Mas não de qualquer morte, mas daquela anunciada e, quiçá, compartilhada, pois podemos ir todos juntos.

Este texto não procura clarear nada, evidenciar nada, mas somente questionar, porque diante da nulidade que a tudo pode apagar, só existe questionamento. Diante da morte em grande escala, sub-reptícia, só existe o vazio, a nulidade, o apagamento. O que são essas questões diante dos influxos do que chamamos de vida?

Não sei. E nem sei se posso encontrar alguma resposta.

Mas quero falar da decalagem entre o meu sentir e o meu agir. O temor é maior durante a noite. Certo sentir pânico, ainda que mediado pela razão, ocupa a mente e diminui as evidências do que pensamos, historicamente, ser racional. No entanto, diante de uma necessidade iminente de entrar em contato com o outro, o que se impõe em meu comportamento não é o pânico, mas uma medida corporal que evidencia certa racionalidade na direção do outro. Um estabelecimento que, me parece coerente e pertinente de agir, no esforço de deixar o outro protegido – sem no entanto deixar de me proteger. É como se um parâmetro maior – talvez movido por uma ética – conduzisse minha postura. Se o medo existe ele não é maior que minha imanência diante do mundo.

O medo, e até mesmo o estado de pânico que me devasta por alguns momentos-eternos (pois aqui perdemos o tempo diante da intensidade do sentir), perde espaço para certa coerência que, provavelmente, foi construída anteriormente e sempre na medida do outro, ou seja, sempre no processo de alteridade. A violência do medo durante a pandemia, ou a violência causada pelo medo, é recuada, acredito, diante de uma ética construída anteriormente na coerência. O receio é perder o limite entre uma ética imanente e a violência imaterial que transcende o viver junto, que transcende a própria alteridade.

Como efetuar um equilíbrio no mundo da vida (Leibnitz) que, pautado pela subjetividade – pois o medo tem um caráter subjetivo e, portanto, pode ser avassalador – vai interferir diretamente na minha relação com o outro? Uso o telefone para saber das pessoas por quem tenho afeto. Mas isso não basta em tempos de pandemia. Sigamos, procurando nos encontrar dentro das paredes que nos cercam.

Belém (Brasil), 24 de abril 2020


2 comentários em “Pandemia, alteridade e autoetnografia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.