6 comentários em “O ANTROPÓLOGO”

  1. Digníssimo Dr. Pinto CO
    Diante das mortes inesperadas, das restrições, dos novos hábitos e das adaptações das metodologias de trabalho, o Educador e Gestor de Projetos, vai buscando novas oportunidades nas entranhas da PANDEMIA, para criar respostas positivas no atípico contexto que esta geração esta conhecendo…!!

  2. Caro amigo Griot, meu mano de horas intermináveis de djumbai, que tanta falta faz. A mundinidade que não será mais o que era, quem sabe havera um resgate do humanismo, ou quiças mais afastamento, as empresas darão conta que não previsavam de tantos para funcionar, nós internacionalistas, vamos pensando na nova ordem mundial que há de renascer, ja vemos o acirramento das guerras economicas, apesar da Pandemia.
    Mas apesar de tudo, prefiro ir ao encontro das velhas lembranças de Fortaleza, passadas contadas num tempo passado que hoje traz a saudade, abraços meu mano Griot

  3. Um diário bem imaginado.
    Já o Geógrafo e ambientalista não tão confinado e discplinado como o antropólogo, decidiu ver só o lado “positivo” desta pandemia, a REDUÇÃO DRÁSTICA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA do mundo. Em Lisboa, segundo as estatísticas, esta redução ultrapassou os 80%, motivo mais do que suficiente para selebrar.

    1. Caro antropólogo, Dr. Có
      Um diário profundo. Já o economista e/ou gestor profundamente confinado às incertezas do seu custo em detrimento do benefício; despesas versus receitas; custos de indemnização ou de subsídio de desemprego em termos de recessão e depressão.
      Um abraço,
      Santos Fernandes
      CEO MINGA SARL

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.