Um parágrafo no confinamento com crianças

por Ricardo Falcão, doutorado em Estudos Africanos pelo ISCTE, investigador do Centro de Estudos Internacionais (CEI-ISCTE)


A minha filha mais velha, nove anos, leu recentemente “O Principezinho”, um pequeno tesouro que continua a passar de mão em mão. O livro foi oferecido por uma colega da mãe, que gentilmente lhe escreveu uma dedicatória, no seu último aniversário, já este ano, mas antes do COVID-19. A leitura completa precisou de alguma motivação “extra”, dada por um pai chato e de um período de corte de privilégios televisivos. Leu por não saber já o que fazer em relação à resposta negativa à pergunta: “Pai, já posso ver televisão?”. “Não, enquanto te mantiveres nesse automatismo de querer acabar tudo depressa, comer a correr, fazer os trabalhos sem prestar atenção, apenas para te ires embrutecer inativa à frente de um ecrã, não. Tu não estás proibida de ver televisão, nós vamos é mudar esse automatismo, acabar com ele, depois podes ver televisão”, disse-lhe o pai muito convencido do que estava a dizer.

Ilustração de “O Principezinho” de Antoine de Saint-Exupéry (D. Quixote)

Depois de algumas semanas, em que o automatismo se começou a esvanecer, o momento COVID-19 deixou de ser uma nota de rodapé nos jornais da noite para se transformar num tsunami de bytes informativos e info-tóxicos. Foi também o momento em que ficámos confinados, há cerca de um mês. Foi na senda de manter a atividade cerebral e a aprendizagem da expressão escrita que lhe pedi, durante dois ou três dias, espaçados, que copiasse trechos do livro, ocasião para saborear melhor as páginas, interiorizar a sintaxe e prestar atenção – algo que vejo como muito longe de um gesto meramente mecânico. Citar não é papaguear.

E assim foi, até ontem, quando este curioso processo me foi devolvido de forma inesperada quando à mesa de jantar me diz: “Pai, o livro do Principezinho é que tem razão, é mesmo difícil falar com os adultos” Surpreso e desarmado respondi: “Ai sim?” “Sim, é preciso repetir as coisas três vezes antes que percebam o que as crianças estão a dizer”. “Como assim?” “Por exemplo, se eu disser à Nicole uma coisa ela sabe logo do que eu estou a falar, mas se te disser a ti, tenho de explicar várias vezes” “A língua das crianças é mais fácil para nós”. A mais pequena, aproveitando o momento quer também reforçar o que diz a irmã, e de repente são os adultos que estão no generoso tribunal das crianças, que não têm sentenças para quem “não ouve”, “não vê” e anda sempre ocupado/distraído da vida. Percebi aí que as crianças são mais pacientes connosco do que o contrário.

Não acredito que a nascente subjetividade seja um fruto de um livro, mas como tudo na vida, são precisos catalisadores para que haja reação, transformação, mudança de estado. A graça dos pais desaparece e é substituída por uma observação mais afinada. As horas passadas em confinamento deixam-nas ver e dizer-me, por exemplo, que ontem não reparei nelas porque tive várias reuniões Zoom durante o dia. O tempo que me escapa não lhes escapa. Quem precisa afinal de acabar com os automatismos?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.