NA FILA DO SUPERMERCADO

por Luís Cunha (CRIA-UMinho)


Neste nosso quotidiano alterado, uma ida ao supermercado ganhou, subitamente, um novo significado. Pretexto para deixar, por momentos, a clausura a que a pandemia nos obriga, é também uma oportunidade para espreitar os estados de alma, sobretudo aqueles de que os noticiários não dão conta. Entre a fila para entrar e a espera na caixa, passando pela demora da peixaria, há tempo para registar inconfidências e desabafos. Não garanto que a transcrição seja absolutamente exata, mas foi isto que ouvi.

– Olhe lá o que havia de nos acontecer (falava por detrás da máscara, um pouco curvado, com tremuras no braço que segurava um saco plástico).

– Estas coisas acontecem por vezes. É a vida.

­- Nós abusámos, agora temos o castigo.

O outro, mais jovem, aprumado, procurando manter a distância de segurança, encolheu os ombros desinteressado. O homem curvado não gostou.

­ – Acha que não? Olhe que vem na Bíblia, doutor.

­- Ó ca’… mas a Bíblia não diz que os gafanhotos vêm antes da peste? E os gafanhotos, ah?! Já viu por aí algum?

Mais à frente, na peixaria, depois de pedir «duas douradas dessas, escaladinhas q’é p’a grelhar», a senhora baixinha, com ar endurecido pela vida, saúda um homem alto, que parece pouco habituado a estas lides.

­- Então e os seus? Tá bem, a Lurdinhas?

­- Tem muita idade, tenho receio. Se cai no hospital, com aquela idade…

­- O pior é que nem deixam fazer os funerais. Isso é que deve ser… Ali ‘tão as pessoas, sozinhas…

­- Isto aparecer assim, de repente, e logo a espalhar-se por todo o mundo ­(o homem baixara a voz, olhando à volta, procurando cumplicidade). Isto foi criado lá nos laboratórios. Os chineses! Sabe que aquilo… Aquilo é uma ditadura.

­- Ui, que raça aquela! E o q’eles comem?! ­(Estendendo as mãos para as douradas a senhora segue caminho, ouvindo do homem um último desabafo):

­- Ali ninguém levanta cabelo. Trabalham trinta, quarenta horas por dia e calam-se.

Na fila para pagamento, sem que haja espaço para o exigido distanciamento, formam-se curvas em cotovelo e circula-se com perigosas aproximações seguidas com desconfiança.

­- Tem que manter a distância, avisa a senhora da caixa, espreitando por detrás das pastilhas elásticas.

­- Ma’ num vê q’a senhora já tá lá ao fundo? Então não ‘tou a mais de dois metros?!

­- Tem que ficar atrás dessa linha amarela até eu acabar esta operação. Só depois é que pode avançar.

A cliente apressada virou-se para trás. É uma senhora idosa mas rija. Talvez pareça mais idosa do que é. Vejo-a frequentemente. Sempre de bata, deve trabalhar como empregada doméstica numa das casas da vizinhança. Não tem máscara nem luvas, nem grande fé na justeza das restrições a que somos obrigados.

­- Isto é tudo o que tem q’ser (garante de mãos nas ancas)­. Adianta cá andarem com isto. Não deixarem sair a Procissão! Vale-lhe de muito. Eu é q’inda tenho o almoço pra fazer e nunca vi isto assim. Cada dia mais bicha… E ainda dizem que morre muita gente… Que Deus os guarde e a nós que não nos falte.

Braga, 12 de abril 2020.


Um comentário em “NA FILA DO SUPERMERCADO”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.